Novas receitas

5 jogos para a Batalha das Boy Bands Party

5 jogos para a Batalha das Boy Bands Party

Não há lealdade maior do que a de uma fã para sua boy band favorita. Quase todas as adolescentes eram elitistas quando se tratava de sua música pop preferida (mesmo que isso significasse que ela tocava secretamente para outra banda em casa em seu toca-fitas). Desmaiar, ofegar, chorar - tudo era comum quando sua banda favorita chegava à cidade. Você não pode negar o poder da música pop, especialmente quando é alimentada por boy bands. Derrube-os o quanto quiser, mas de New Kids on the Block a One Direction, sempre haverá algo sobre homens em calças justas com vozes de anjos que fará o coração das meninas bater mais forte.

Nos últimos anos, muitas boy bands se reuniram após anos em um hiato, mas nenhuma reunião foi tão esperada quanto * NSYNC no MTV Video Music Awards em 25 de agosto. Embora tenha durado apenas alguns segundos, ver os meninos juntos de novo foi o suficiente para fazer o interior de cada menina de 12 anos explodir de alegria. Com os Backstreet Boys, 98 Degrees, Boyz II Men e a boyband original New Kids on the Block, todos agitando o circuito turístico, nós o convidamos a voltar no tempo e oferecer uma festa nostalgia que irá rasgar seu coração.

Uma noite de jogos de Battle of the Boy Band é uma ótima maneira para todas as gerações participarem de uma noite de folia de boy band. Envie convites para seus amigos, convidando-os a chegar em suas camisetas favoritas de boy band (artesanal ou vintage). Assim que chegarem, divida-os em times e coloque os fãs de bandas diferentes uns contra os outros. Prepare uma urna eleitoral, de preferência decorada com fotos de boy band, que conterá os pontos de contagem da noite. Assim que a música estiver definida para a estação Pandora perfeita, você pode deixar os jogos começarem! Aqui estão algumas ótimas idéias sobre como batalhar e descobrir qual banda reina suprema:

Karaokê:
Seria impossível determinar quais estilos vocais deveriam ser considerados de primeira linha, já que metade da sala já está voltada para o intérprete. Em vez disso, coloque a devoção de todos à prova, fazendo com que as equipes se revezem para terminar as letras das músicas sem a ajuda de um instrutor. Cada membro da equipe receberá um ponto para cada letra cantada corretamente, enquanto os perdedores receberão pontos deduzidos de sua equipe de boy band.

Charades:
As boy bands são notórias por terem letras menos do que estelares e um tanto malucas. Teste o conhecimento de seus colegas de equipe fazendo com que as equipes representem títulos de músicas de seu grupo favorito. Mantenha-o interessante fazendo com que seus amigos representem as canções do arquiinimigo de seu grupo e ganhando pontos para cada título adivinhado corretamente.

Curiosidades de boy band:
Antes da chegada dos convidados, reúna uma lista de fatos interessantes e faça seu próprio jogo de tabuleiro de perguntas e respostas. Claro que todas as perguntas devem vir de cada garoto mal representado, e os jogadores de lados opostos terão que adivinhar a resposta correta, mesmo que não seja sobre seu grupo.

Quem sou eu? Jogo:
Este jogo é facilmente convertido no jogo de batalha de boy band perfeito. Escolha um nome de membro de uma boy band para cada time jogando e cole esse nome em sua testa. Cada pessoa recebe 20 perguntas "sim ou não" para descobrir quem é, parando apenas se receber um não.

Jogos de beber:
Qualquer jogo clássico de bebida serve, basta dobrar as regras para o tema das suas festas! Por exemplo, quando "perguntas" ou "frases" surgirem no jogo de cartas King's Cup, certifique-se de que todos se atêm ao tema da boy band. Para jogos como beer pong ou flip cup, peça aos convidados que cantem uma linha da discografia de seus grupos favoritos. Se eles errarem as palavras, não apenas terão que beber, mas também terão pontos deduzidos de seu grupo!


Ideias para festas FORTNITE

Se você estiver procurando por Fortnite Party Ideas que & # 8217rão ganhar uma batalha royale, eu estou te dando cobertura! Use esses materiais de festa DIY Fortnite para montar decorações Fortnite, bem como jogos de festa Fortnite, para uma divertida festa de aniversário Fortnite!

Meu filho adolescente é como muitos outros, e até mesmo adultos agora, lutando até o fim em FORTNITE . Eu não sou um grande jogador de vídeo, mas tenho que ser honesto, até eu gosto de vê-lo jogar.

Ele e sua irmã de 17 anos passam várias noites por semana brincando. Os gêmeos querem até entrar em ação. Você pode ver porque planejei uma festa de aniversário FORTNITE no fim de semana!


The Clowning, Wilding-Out Battle Dancers of South Central L.A.

Blocos de batida de baixo dividiram o ar, parecendo deformar as paredes quando a família Rice Track começou a dançar no Silverado Park Teen Center em um domingo de maio. Lá fora, o crepúsculo caía em uma noite amena em Long Beach, Califórnia, o tipo de noite em que ventos de sorte sopram do deserto e agitam as folhas das palmeiras reais, despertando os ratos das copas.

A música da caixa de som era & quotPiggy Bank & quot, de 50 Cent. Quando Rod Soriano, cujo nome na dança é Hot Rod, aumentou o volume, os outros meninos do centro de recreação começaram a estalar o peito e balançar. Abruptamente, um de cada vez, eles começaram a girar os braços, encolhendo os ombros, curvando os corpos em direção ao som e às letras violentas, como se estivessem em transe, como se algum tipo de batalha estivesse para começar.

Eles fecharam os olhos e assentiram com a cabeça. À medida que as batidas enchiam a sala, os dançarinos começaram a tremer e depois a dançar, primeiro delicadamente, depois espasmodicamente, depois ganhando velocidade de uma forma alarmante, mas estranhamente graciosa. Pareciam elásticos quando o elástico esticado é puxado. Os dançarinos estavam tão submersos na dança que não ficou claro como eles conseguiram evitar bater nas paredes de blocos de concreto ou na mesa de pebolim de cantos afiados ou, nesse caso, eu.

Os dançarinos se revezaram para mostrar seus movimentos, primeiro um adolescente chamado Chris (Pokeey) Tanedo e depois Marvin (Junior Pokeey) Salvador e depois Raf (Young Pokeey) Ocampo e depois Mark (Baby Pokeey) Irang e depois Cliff (Little Pokeey) Sung e, em seguida, Laurence (Solow) Gogit, o único membro do grupo cujo apelido não é uma brincadeira com a palavra tagalo para & quotscar. & quot

A dança que eles estavam demonstrando é chamada de krumping, dança break em partes iguais, batalha pantomimada e possessão demoníaca. Como o break dance há 25 anos no South Bronx, o krumping surgiu espontaneamente em algum momento da última década nos bairros de Long Beach e em todo o centro-sul de Los Angeles. E, assim como a dança break estava confinada no início a um fragmento de um bairro de Nova York então em ruínas, o krumping ainda é praticamente desconhecido além das rodovias que fazem fronteira com essas áreas irregulares de L.A.

Nos últimos cinco anos ou mais, porém, um fenômeno que começou com um punhado de dançarinos cresceu para incluir talvez mil dançarinos e pelo menos 80 equipes independentes, vagamente organizadas e todas parte de uma rede conectada informalmente, mas intrincadamente de boca em boca . A maioria das tripulações de krump são negras, mas muitas são asiáticas, como a Rice Track Family, ou brancas ou latinas; são aliadas menos pela raça, na verdade, do que pela economia e seu compromisso com uma forma improvável de arte.

"Neste bairro, se você não é um atleta, nem um rapper ou um gangbanger, não vai a lugar nenhum", disse-me Soriano, ou Hot Rod Soriano, um jovem fundador filipino da Rice Track Family. & quotQuem sabe se não estaríamos & # x27t dançando se não estivéssemos fazendo gangbang também? & quot

Na área de Soriano & # x27s, uma seção de Long Beach mais conhecida pelas torres de perfuração de petróleo tantas vezes empregadas como abreviatura cinematográfica para o lado de baixo de LA & # x27s, as perspectivas raramente são brilhantes para alguém, não para atletas ou rappers e certamente para qualquer membro de Long Beach & # x27s gangs. "As pessoas de fora não veem a violência aqui", disse Soriano. & quotMas vivemos isso todos os dias. & quot

De seu lugar em um canto da sala de recreação, Gogit riu baixinho e disse: & quotA cada 3 horas & # x27clock você vê alguém correndo na rua com uma TV ou uma geladeira, e isso & # x27s é normal para nós & quot.

As pessoas, principalmente seus pais, disse Soriano, acham estranho que os membros da Família Rice Track passem todo o tempo dançando, praticando no modesto centro comunitário, localizado em um playground cercado por casas simples de madeira, a uma curta distância do zumbido de a rodovia. Tripulações como a Rice Track Family competem em um circuito não oficial com equipes de todo o Centro-Sul, reunindo-se em festas, salões de dança e clubes para lutar por troféus ocasionais e às vezes dinheiro, mas, o mais importante, prestígio. & quotAlgumas pessoas dizem, & # x27Oh, você poderia estar fazendo algo positivo & # x27, mas este é o nosso positivo & quot, Soriano disse. & quotAlgumas pessoas, quando têm problemas, escrevem em seus diários. & quot Krump dançando & quotis nosso diário & quot, & quot, acrescentou. & quotÉ & # x27 nosso dia a dia. & quot

No circuito de dança krump há panelinhas, equipes e & quotunidades & quot semiprofissionais que dançam em festas pagando. Existem lendas, como sempre existem em pequenas cenas underground cujas hierarquias são invisíveis para quem está de fora. É necessário conhecimento interno para atribuir classificação e status a todos os dançarinos, que têm nomes como Dragon ou Tight Eyez ou Miss Prissy ou Lil C. Esses mesmos nomes podem vir a ser reconhecidos além das fronteiras de Long Beach e South Central no próximo poucas semanas, porém, quando um novo documentário de longa-metragem sobre krumping é lançado em todo o país. & quotDocumentário & quot pode ser um termo muito impreciso para & quotRize & quot, um filme que levou o fotógrafo de moda e diretor de videoclipes David LaChapelle dois anos e meio para fazer e que evoluiu de um curta-metragem tentador exibido no Festival de Sundance em 2004.

& quotRize & quot cai sob a rubrica do que poderia ser denominado o Romance da Underclass Permanente. De acordo com as convenções invariáveis ​​do gênero & # x27s, os personagens devem escalar escadas de corda com oportunidades improváveis ​​de escapar de seus destinos. E isso os dançarinos de LaChapelle & # x27s fazem - de um lugar onde gangues, drogas e violência não são meramente papel de parede de vídeo cru, artefatos de algum desenho animado do Snoop Dogg. O filme é dedicado a uma dançarina chamada Quinesha (Lil Dimples) Dunford, que foi morta com um amigo de 13 anos em um tiroteio / de carro em 2003, e nenhum dos dançarinos nele está sem uma história como Quinesha & # x27s contar.

Em grande medida, & quotRize & quot faz o que Jennie Livingston fez em & quotParis Is Burning & quot, seu documentário de 1990 sobre a cena do baile underground gay, do qual fenômenos como o vogueing surgiram pela primeira vez, e o que o cineasta independente Charlie Ahearn fez quando documentou o nascimento do hip- A cultura do lúpulo no filme semificcional de 1982 & quotWild Style. & quot Ele treina suas lentes em um grupo excepcional de artistas autodidatas e permite que sua arte fale por eles.

Os arcos desses filmes anteriores atingiram o apogeu em algum tipo de torneio no filme LaChapelle & # x27s, cujo clímax chega em um confronto anual de dança krump conhecido como Battle Zone. Battle Zone formalizou o que tinha sido um movimento totalmente ad hoc, e é na Battle Zone V, realizada em novembro de 2003, que Tommy the Clown, ou Thomas Johnson, o homem creditado por ter inventado a dança da qual o krumping evoluiu, pode ser visto em & quotRize & quot entrando em um combate de dança feroz ao lado de sua tripulação. Sob luzes quentes no Great Western Forum de 18.000 lugares, Tommy the Clown e seu grupo enfrentam um grupo dos melhores krumpers de L.A. durante uma longa série de confrontos noturnos. Uma sessão de krump sempre envolve um desses confrontos, em que dois dançarinos se encontram dentro de um círculo e fazem uma postura selvagem correndo um contra o outro, ataques simulados que são tanto marciais quanto baléticos. A música é alta, com samples de hip-hop e rap and mash tapes, o público é formado por quem quer que seja que no bairro soubesse que os vencedores são sinalizados por ovações e gritos.

Como as sessões nos clubes de jazz de St. Louis dos anos 1920 & # x27, ou as competições de break-dance dos anos 1980 & # x27 no South Bronx, as zonas de batalha, tanto formais quanto improvisadas, servem como laboratórios para uma forma de arte em evolução e distintamente americana.

Se a publicidade em torno do filme puder ser acreditada, krumping em breve "explodirá" dos confins do Centro-Sul e se espalhará como um vírus cinético por todo o país, ou pelo menos para o cineplex local. Considerando as origens do break dancing e do hip-hop, todos incubados em paisagens não menos obscuras do que as de South Central L.A., apenas um tolo teria chances contra o hype. & # x27Krumpers podem dizer o que quiserem - Tommy, o Palhaço, inventou o palhaço, e não & # x27não haveria krumping sem mim & quot, Thomas Johnson me disse uma tarde em um escritório de blocos de concreto em uma escola nos arredores de Compton. Naquele momento, Johnson estava sem sua peruca Afro do arco-íris Tommy, o Palhaço, sua marca registrada, mas seu rosto estava branco com maquiagem e talco, e havia balões desenhados em sua testa e bochechas.

Foi logo depois de ser libertado da prisão no início de 1990 & # x27 que Johnson, um ex-traficante de cocaína que se autodescreve como & quotbig time & quot, voltou-se para o cristianismo evangélico e a dança de palhaço mais ou menos simultaneamente. "Eu precisava encontrar uma maneira de ganhar dinheiro", disse ele. Ele percebeu que "mesmo no gueto" as pessoas têm festas infantis. & quot E o que é uma festa do gueto & quot, acrescentou ele, & quotsem um palhaço da festa do gueto? & quot

Usando um macacão folgado, sua peruca afro e sapatos enormes, Tommy, o Palhaço, logo se tornou uma presença constante em churrascos, festas do bairro e comemorações de aniversário em todo o Centro-Sul, fazendo principalmente o que qualquer outro palhaço de festa no mundo faz, torcendo balões em formas de bassê e meio- crianças pequenas e meio aterrorizantes. Foi só depois que Johnson acrescentou um leve boogieing ao seu ato que a carreira de Tommy, o Palhaço, começou a decolar.

A dança que ele preferia naquela época seria familiar para qualquer pessoa que já assistiu a um vídeo de hip-hop suave, levemente atrevido, ocasionalmente sacudindo o traseiro, era um amálgama de estilos de dança de clube e movimentos preferidos por mulheres que ganham a vida se contorcendo postes cromados no topo das barras.

Tommy primeiro adicionou esses movimentos, chamados de dança de stripper, a seu repertório e, em seguida, algumas acrobacias suaves e algumas posturas femininas estilizadas que ele roubou de Michael Jackson, que poderia ter obtido de grupos gays underground que inventaram a dança que Madonna popularizou em seu vídeo & quotVogue. & quot Em combinação, os movimentos de Tommy & # x27s eram patetas e estranhos e aparentemente únicos para ele. No final de 1990 & # x27, ele tinha um número significativo de seguidores locais e uma equipe de estagiários de dança, entre os quais dividiu sua taxa de $ 250 da festa.

À medida que sua reputação crescia, o estilo de pintura facial de Tommy & # x27s inspirou a competição, primeiro em festas e depois em reuniões improvisadas de dançarinos de palhaços, e logo 30 outros grupos de palhaços surgiram com nomes como House of Clowns, True Clowns, Worldwide Clowns , Apenas palhaçadas e sem comparação.

Como qualquer uma das milhares de outras danças urbanas, o palhaço poderia ter vivido sua vida de mosca e desaparecido sem lamentar se um diretor de videoclipe não tivesse visto alguns dos dançarinos de Tommy & # x27s e os escalado para uma produção de Christina Aguilera intitulada & quotDirty & quot em 2002. O diretor era David LaChapelle. (Os dançarinos de krump também chamaram a atenção de Missy Elliott, que os usou em seu vídeo & quotI & # x27m Really Hot & quot de 2004, o Black Eyed Peas posteriormente contratou dançarinos de krump para seu vídeo & quotHey Mama & quot).

& quotEstávamos gravando e algumas pessoas no set disseram: & # x27Há & # x27s esta dança que & # x27s acontecendo na & # x27hood. Gostaria de ver? & # X27 & quot LaChapelle explica. “Eu fui aos bastidores e havia dois caras e uma garota dançando stripper. Havia muito mais energia acontecendo nos bastidores do que no set que eu não pude esperar a filmagem terminar para descobrir mais. & Quot

No momento em que LaChapelle apareceu nele, a dança de stripper havia se transformado em palhaço em alguns locais, o palhaço estava sendo sujeito a variações que mudavam a cada dia. “Você vê tanto em uma reunião de krump”, diz Gogit. & quotVocê vê um movimento e adiciona a ideia ao seu próprio movimento e assiste a uma fita de dança e tira algo disso. & quot Em & quotRize & quot, Lil C, uma dançarina brilhante, dá uma ideia do ardor competitivo dos dançarinos na nova cena quando ele diz: & quotSe você não dançar por dois dias, nós sabemos disso. & quot. Novos movimentos, atitudes e formas extremas de mímica e postura estão sendo inventadas em playgrounds e clubes o tempo todo.

Entre as danças que pareciam brotar do palhaço estava o chicote, que se originou em um clube South Central chamado Soda Pop, e também uma dança com aparência de bêbado amigável chamada wobble e outra dança de palmas sem nome que se parece muito com a de Will Smith está tentando transmitir no videoclipe derivado do filme & quotHitch & quotHitch, & quot; sua oferta para pontuar neste verão & # x27s sucesso de rádio.

De longe, o mais interessante foi uma dança atlética que veio a ser chamada de wilding out, uma denominação bizarra, considerando seus ecos do estupro de corredor do Central Park em 1989 - do qual cinco jovens nova-iorquinos foram condenados (e posteriormente exonerados) - que foi relatado ter começado em uma farra de "selvagem". Ao selvagem, logo foi adicionado o chicote, no qual os dançarinos balançavam os braços loucamente de um lado para o outro, tornando-se mais focados, pugilistas e intensos.

Quando o chicote apareceu, vários anos atrás, a maioria dos dançarinos da cena do palhaço havia começado a deixar para trás a forma suave de dança de Tommy & # x27, que eles consideravam boba e lenta e desconfortavelmente próxima de menestrel. Foi então que começaram os movimentos radicais que se transformaram em krumping: o bombeamento do braço em staccato, as estocadas no peito, as lutas simuladas que não podem deixar de lembrar os vídeos dos distúrbios de Los Angeles de 1992, um dos principais motivos pelos quais LaChapelle chamou de geração de krumpers & quotthe filhos de Rodney King. & quot

Todos esses dançarinos devem algo a Tommy, o Palhaço, é claro. Mas, no lugar do pathos azedo de um homem negro com maquiagem branca cambaleando como Bozo, os krumpers imitam emoções profundas. "Clowning é mais como um entretenimento", diz Gogit. & quotKrump é emoção real. "É como a noite da luta." durante as Olimpíadas de 1984. Era um estranho dia de primavera, com vento e céu limpo, o ar limpo de sua costumeira infusão de gardênia e gases de gasolina. Tight Eyez, 20, e seu amigo de 18 anos Christian Jones, conhecido como Baby Tight Eyez, sugeriram um encontro aqui, onde os estacionamentos e áreas ao redor eram assustadores e vazios.

As duas dançarinas tiveram problemas com o carro e chegaram tarde para o nosso encontro. Uma hora se passou e depois mais antes que um sedan branco surrado parasse e estacionasse. Baby Tight Eyez saiu do lado do motorista e # x27 Tight Eyez saltou pela janela da porta quebrada do lado do passageiro. Os dois estavam vestidos com jeans descomunais e camisetas brancas sem marcas ou logotipos, um uniforme de proteção anônimo necessário em áreas controladas por gangues de Los Angeles. Tight Eyez explicou: & quotVocê não quer que sua vida acabe porque está usando a cor errada. & Quot

Tight Eyez é uma estrela do circuito underground de krump (e do filme LaChapelle & # x27s), por razões tão simples como a intensidade elegante de sua dança - que ele tem feito desde o início da adolescência, tanto solo quanto no Remnant, seu própria tripulação - e sua biografia angustiante. Ele foi criado por uma mãe que costumava consumir crack e, mais tarde, por uma de suas avós. Ele foi baleado no início da adolescência por um parente, a bala ricocheteou em uma porta e atingiu-o no braço. “Ainda tenho a cicatriz”, disse ele, puxando a manga para cima para revelar um verme gordo de tecido queloide rastejando além de seu cotovelo.

& quotIsso & # x27 é do jeito que é & quot, Baby Tight Eyez disse. & quotFor real. & quot Há um grito pré-adolescente desarmante na voz de Baby Tight Eyez & # x27s, e por isso não é totalmente fácil creditar seus contos quando ele diz que, antes de ser levado ao cristianismo evangélico, encontrou Deus e aconteceu de krumping - nessa ordem - ele tinha o hábito de assediar as pessoas com uma arma.

"Eu escorreguei um pouco", disse Baby Tight Eyez. “Eu cometi algum crime, levei tiros, fui atirado em pessoas, estive na prisão algumas vezes, era um ex-gangbanger. Antes de encontrar a dança e a igreja, eu me permitia ser pego por tudo isso. & Quot

Tight Eyez e Baby Tight Eyez estão entre um pequeno grupo de dançarinos do filme LaChapelle & # x27s cuja salvação depende tanto de Cristo quanto do krumping, fato ao qual o diretor não dá importância especial. Uma explicação parcial, pelo menos, pode ser localizada no próprio termo & quotkrump & quot. Muitas vezes em & quotRize & quot e nas batalhas de dança krump, os dançarinos entram em um estado em que parecem fisicamente possuídos. Eles se parecem com as pessoas nas igrejas pentecostais que de repente se encontram se debatendo e falando em línguas, caindo repentinamente como se tivessem sido mortos. No mundo de Tommy the Clown e Tight Eyez, uma pessoa que entra em um estado como esse é descrita com a palavra inventada dada à própria dança. & quotQuando alguém leva um golpe assim & quot, Tight Eyez disse, & quotyou dizer que foi atingido

Antes de ir morar com Tight Eyez e sua mãe, Baby Tight Eyez foi despejado de sua própria casa e se afiliou aos Crips. Ele não se considerava um dançarino na época, principalmente porque, explicou ele, dançar era algo que as mulheres faziam em festas e dançar era algo que fazia um gangbanger júnior parecer menos com um homem, e dançar, especialmente a dança do palhaço, poderia ser interpretada como gay.

O ponto em que tudo mudou para Baby Tight Eyez foi provavelmente o dia em que Tommy, o Palhaço, encenou pela primeira vez um dos concursos de dança improvisados ​​que acabou se transformando em Battle Zone. Naquela época, o amigo e mentor de Baby Tight Eyez & # x27s, Tight Eyez, já havia chegado à conclusão de que dançar & quot era uma coisa que eu poderia fazer em uma direção positiva, que se o fizesse talvez pudesse evitar levar um tiro e acabar morto. , ele estava dançando com um ou outro grupo de palhaços e então solo em seu & quotlaboratório & quot, um quarto na casa de sua mãe & # x27s onde ele dorme e usa como seu estúdio de prática. Ele vinha cronometrando os movimentos de seus competidores tão religiosamente quanto os grandes da dança de uma era anterior, sapateadores como Honi Coles, Bill Robinson e particularmente o gênio subestimado Chuck Green, que costumava estudar a competição em batalhas improvisadas em clubes e depois voltar para seu estúdio, dissecava seus movimentos, torqueando ou diminuindo os passos, brincando com o tempo até que seus pés ocupassem o ritmo e a música parecesse segui-lo, e não o contrário.

"Se eu ver um movimento em uma batalha, vou levá-lo de volta ao laboratório e trabalhar nele da próxima vez", disse Tight Eyez. Seu estilo é atlético e tão feroz que os desafiadores às vezes confundem seus desafios pacíficos com um convite para um combate mortal. "Parece violento e as pessoas ficam um pouco assustadas", disse Tight Eyez, não totalmente desagradado com a ideia. & quotMas se você vive no meu tipo de situação, tem um pouco de raiva que precisa expressar. & quot

Era uma tarde escaldante quando Tommy, o Palhaço, apareceu em uma escola secundária em Compton com um grupo de dançarinos palhaços a reboque. Tommy faz dezenas de shows em escolas todos os anos, pequenas manifestações improvisadas onde ele e seu grupo contam piadas, recitam bromides que permanecem na escola e, em seguida, ligam a caixa de som para palhaço e krump. O grupo de Tommy & # x27s no Vanguard Learning Center incluía Jesse Philpott, que dança como Rocco, e James Blackston, conhecido como Little Tight Eyez, e Larry Berry, que dança com Tommy há mais tempo, oito anos, sob o nome de Larry the Clown . Uma adição especial esta tarde foi Teyauna Taylor, de 9 anos, conhecida como Lil Mama. Lil Mama é um fenômeno que faz o possível para roubar & quotRize & quot da competição com suas estocadas frenéticas no peito, rachaduras atrevidas e uma expressão de altivez majestosa que é ainda mais surpreendente vindo de alguém com mais de um metro de altura.

"Quantos de vocês & # x27todos viram esse palhaço dançar por aí?" A pergunta pairou no ar. "Levante a mão se você pode fazer esta dança", disse ele. A multidão estava quieta e tímida. “Ok,” disse Tommy então. "Quero que todas as pessoas feias da casa fiquem quietas." E houve um pandemônio.

No final das contas, as crianças do Vanguard Learning Center conheciam a palhaçada. Eles sabiam muito bem como fazer krump. Mas foi só depois que Tommy ligou o trailer de & quotRize & quot e convidou seus dançarinos para fazer uma demonstração e fez seu discurso padrão de permanência na escola que eles tiveram a chance de mostrar o que podiam fazer. A essa altura, Tommy havia recitado a história de sua vida, cujo cerne é que, por direito, nunca deveria ter existido um Tommy, o palhaço.

"Eu costumava vender drogas, cocaína, cocaína de rocha", explicou Tommy. “Eu vivi uma vida cercada por gangbangers, não tinha emprego e não tinha dinheiro e comecei a fazer coisas criminosas. E o que você precisa entender é que você se torna essa pessoa quando vive essa vida. & Quot

Ninguém, explicou Tommy, pretende ser um palhaço de cara branca dançando com sapatos grandes e um afro de arco-íris. Mas nenhum de nós sabe, continuou ele, qual será o seu destino.

Antes de ligar a música novamente e convidar os alunos do Vanguard Learning Center a se exibirem para sua equipe, Tommy observou que nunca havia imaginado que sua tentativa de ganhar um dólar não convencional um dia encontraria reconhecimento além dos limites da comunidade que poucos olhos externos penetram. "Quando descobri que estava ajudando crianças com a dança, me senti abençoado", disse ele. & quotMas, honestamente, nunca tentei fazer isso de propósito. & quot

Aconteceu, explicou ele, porque olhou para sua realidade de ex-presidiário desempregado que vivia no centro de South Central, pensou nas perspectivas e começou a rir. "Eu também poderia ter chorado", disse ele. & quotMas então eu disse a mim mesmo: & # x27Se você tem que ser um palhaço, seja um palhaço. & # x27 & quot

Tommy the Clown deu início à música tema do filme & # x27s, construída em torno do refrão & quotKrump, clown, break on down! & Quot. Em seguida, ele puxou uma jovem garota da platéia para o centro do salão de assembléia.

"Você vai ser palhaço para nós?", perguntou Tommy ao estudante de 12 anos, que parecia compreensivelmente dominado pela timidez.

"Aumente a música", disse ele, e de repente a garota decidiu aceitar o desafio. Encontrando seu lugar na batida, ela começou a bombear os braços, balançar os quadris e imitar os movimentos de não mexer comigo, que são a essência do krumping.

& quotO.K., agora, garota, vá buscar & quot, Tommy, o Palhaço, piou, rindo.

"Vá em frente agora", disse um dos outros dançarinos de Tommy. & quotTira-o para fora. Fique nervoso! & Quot


Motown Versus O-Town - Cuidado com o nome de sua boy band

NOVA YORK, NY - 24 DE JULHO: (L-R) Dan Miller, Erik-Michael Estrada, Trevor Penick e Jacob Underwood. [+] da banda O-Town se apresenta ao vivo no "The Elvis Duran Z100 Morning Show" no Z100 Studio em 24 de julho de 2017 em Nova York. (Foto de Matthew Eisman / Getty Images)

Universal Music Group, a maior empresa de música do mundo, não quer que ninguém sequestre o nome Motown, uma de suas marcas registradas mais famosas. Mas agora o rolo compressor da música está passando pelos limites da cidade da Motown para pegar uma banda que se autodenomina O-Town, exigindo que eles abandonem o nome parecido ou advogado.

O-Town, vindo de Orlando, foi originalmente formada em 2000 no reality show da MTV Fazendo a banda, e se separou três anos depois. Em 2013, a boy band - agora uma man band - se reformou, com lançamentos de álbuns em 2014 e 2017. Neste verão, eles estão na estrada com a Pop 2000 Tour apresentada por Lance Bass da vintage boy band de Orlando 'NSYNC.

Deixando de lado a questão de saber se o nome O-Town é muito próximo da Motown, a banda pode ter outras defesas para a tentativa do UMG de jogar sua marca registrada em uma vala.

Primeiro, os caras usaram o nome por mais de duas décadas, embora de forma intermitente. O álbum de estreia da banda foi multi-platina (mais de 3 milhões de unidades vendidas) impulsionado pela exposição na MTV.

Mas, na terceira temporada do programa, os espectadores viram a banda lutando para escrever suas próprias canções para ganhar credibilidade com os críticos. As vendas de discos caíram e a banda caiu. UMG poderia ter lançado o desafio no início de 2000 e esse atraso pode prejudicá-los. Naquela época, O-Town tinha o apoio da MTV, do lendário magnata da música Clive Davis e do então poderoso empresário de boy band Lou Pearlman.

Um segundo fato útil para os caras é que outro grupo musical chamado O-Town Motown tem feito covers de soul e R & ampB para eventos sem atrair um ataque da UMG. Por que a UMG não foi atrás daquela banda O-Town também? Se O-Town se defender com sucesso contra UMG, a seguir poderemos ver uma batalha dos bandos de O-Town sobre quem fica com o nome.

BTS’s ‘Butter’ quebra o recorde de estreia de 24 horas no YouTube (por enquanto)

Dez ótimos filmes para transmitir antes que desapareçam da Netflix no final de maio

‘Butter’ do BTS marca a maior estreia musical da história do Spotify

Hoje a boy band é comandada por seus quatro integrantes, que buscam registrar seu próprio nome. Mas naquela época, Pearlman registrou O-Town em seu próprio nome. Esse registro foi abandonado depois que o ex-gerente foi condenado a 25 anos de prisão por fraudar investidores de US $ 300 milhões em um grande esquema Ponzi. Pearlman, que morreu na prisão em 2016, supostamente admitiu que a inspiração para o nome de O-Town foi Motown, um fato ruim para os caras que tentavam se defender do UMG.

Como qualquer gravadora, grande ou pequena, a UMG deve estacionar e policiar seus ativos, incluindo marcas registradas em nomes de gravadoras e logotipos, bem como direitos autorais em catálogos de músicas e gravações. Isso pode ser especialmente verdadeiro para UMG, cuja controladora Vivendi está procurando um comprador de 50% de participação na gigante da música com uma avaliação geral fixada em um recorde de US $ 33 bilhões.

Tiffs de marcas registradas de bandas são itens padrão para advogados de música. Mais comumente, é um membro fundador da banda brigando com ex-membros sobre quem pode usar o nome que atrai a multidão. Mas, com a mesma rotina, bandas não relacionadas aparecem com o mesmo nome e depois discutem quando uma fica sabendo da outra.

O grupo doo-wop dos anos 1950, os Drifters, processou ex-membros que viajavam pelo país com o mesmo nome. A banda de rock dos anos 60, The Charlatans, forçou uma banda britânica no final dos anos 80 a mudar seu nome para Charlatans UK. Os roqueiros irlandeses dos anos 90, Blink, forçaram uma banda de pop-punk de San Diego a mudar seu nome para Blink 182 para evitar problemas legais.

As disputas de marcas registradas geralmente são vencidas pela parte com os bolsos mais fundos, não os melhores argumentos. O-Town acusou publicamente a UMG de ter muito dinheiro e nada a ver com isso a não ser aterrorizá-los.

Yet costs are a concern for all, including UMG, which currently is using in-house lawyers to handle the O-Town matter but would likely have to hire more expensive outside trademark counsel if the matter escalates. While trademark disputes litigated before the Trademark Trial and Appeal Board, like this case, are generally less expensive than litigation in federal and state courts, costs can still rise high.

Rather than ditching their name, the guys are doubling down, launching an independent release called OTWN, void of vowels as is the trend nowadays. But since OTWN sounds like O-Town, and the sound of a trademark is as legally significant as its look, UMG may slam OTWN too.

Neither side seems to be backing down. Looking for a bright side, the band might hope the publicity will expose their music to new ears.


Get "Bamboozled" This Weekend

First up is the Break Contest. It's the official "unsigned band" competition of the festival and over 600 bands in the Tri-State area have been duking it out for a chance to perform at Bamboozle. The winner of a battle that was held in NYC last week will perform on the main stage while the runner-ups will be featured on the local stages.

Then there's the B-Boy Arena, a break dancing battle hosted by BboyWorld.com. Sixteen finalists will break dance battle it out to be the winner throughout the festival - with the largest cash prize to ever be awarded for a break dancing competition in the United States at stake as the prize.

But of course, the main event is the all-star performances from some of the biggest names in music over the course of the three jam packed days! This year the roster includes Lil Wayne, Bruno Mars, 30 Seconds to Mars, LMFAO, Plain White T's,
We The Kings, and so many more. Get the whole list of performers at thebamboozle.com and get tickets for three-day passes and single day tickets while you're there too!

Will you be heading out to Bamboozle? Who are you most excited to see live and why? Tell us in the comments section below!


4. Pokémon Sword and Shield (gen 8)

Starter Pokémon: Grookey, Scorbunny, Sobble

The latest Pokémon games are the first mainline titles released as a Nintendo Switch game, and Game Freak has finally realized our longtime dream of having a fully 3D Pokémon adventure on a home console. In the British-themed Galar region, you can venture into the new Wild area and capture monsters, or follow the set pathways from town to town that have been in the series since the very beginning. Either way, Pokémon are now just out and about instead of being hidden in randomized encounters, so frustration is greatly reduced.

With 400 Pokémon to catch and the addition of the Dynamax system to power up your monsters, Pokémon Sword e Shield can keep you busy for hours. However, the removal of longtime monsters from the game, including Psyduck and Squirtle, does mean you can’t catch ‘em tudo this time. Fortunately, with the arrival of the game’s Isle of Armor DLC and Crown Tundra DLC, you’ll have a chance to see new environments in the Galar region, catch new Pokémon, and battle new foes.


The best way to fight other players is to firstly hide until you get at least one good gun with enough ammo to be ready for the fight! When you're escaping shots at you, try to move and jump as much as possible, it will make it a lot harder for other players to hit you. Once you found a gun, your fighting strategy will depend on the type of gun that you're using:

  • Pistol: If you didn't find any gun and still using the pistol you're starting with, try to hit headshots with as few bullets as possible, it will take 2 bullets in the head and 3 to the body to win against your opponent.
  • Shotgun: Shotguns are powerful at closed-range but weak at high range. Don't take too much time to aim because the bullets will spread, and try to it the high part of the body. One downside of the shotgun is it will take a long time to reload. So keep that in mind when you're in a fight.
  • Double barrel shotgun: Like his brother, the double-barrel shotgun is really powerful at close range, what makes it different is you can shoot 2 bullets almost instantly. So you can do the double the damage as a regular shotgun in the same amount of time.
  • Sniper: If you have a sniper, try to hide and stay away as most as possible from other players. Then scope to zoom and take your time to hit your shot: if another player is running and didn't see you, don't rush and wait for him to slow-down or pick an item as he will stand still and it will be easier to hit him. A sniper will eliminate your enemy with 1 hit in the head and 2 hits in the body and the snipers in bois.io doesn't have bullet drop, they hit directly where you aim.
  • Magnum: The magnum is a very powerful gun and it will eliminate other players by hitting them 1 time only, anywhere on the body. It is powerful but hard to aim, you have no scope and it has a big kick, so take your shots slowly. The magnum will also be a lot more accurate than the shotgun at high range.
  • M4: The M4 is one of the most powerful guns of the game because it has a scope, low kick, is highly accurate, is fully automatic and has a fast reloading. Aim at other players and hold the trigger, it will kick a bit then stabilize and it will be easy to hit your target.
  • AK-47: The AK-47 does more damage than the M4 but it has no scope and kicks a lot more so it will be harder to aim with it. Try to send small burst of bullets instead of holding the trigger.

Gameplay Systems

Exploration System

There are three types of areas in Atelier Ayesha: towns and workshops that you can safely explore, monster-filled areas full of raw alchemy ingredients and the world map that connects everything together. While in a town, you can speak with local residents, buy and sell items at stores and discover story related events. Alchemy workshops will allow you to perform item synthesis, write memories in a diary and access a journal to rest or save your game.

Leaving town will lead you to the world map where you can travel to other areas of the world. New areas will appear as you progress with the story and you can also find traveling merchants to purchase items from. Saving your game is also possible on the world map. While walking on the world map, HP and MP will recover slightly.

Visiting dangerous areas will allow you to gather ingredients for alchemy and battle monsters for experience and loot. Most areas are only a single screen, but some larger dungeons are comprised of multiple screens. You can see areas that are interconnected on the world map via dotted lines.

Calendar System

Similar to the previous PS3 Atelier games, Atelier Ayesha takes place over a period of three years, where each year consists of twelve months and each month consists of thirty days. The game starts on Year 1, Month 4, Day 1 and the final playable date is Year 3, Month 3, Day 30 (The year counter increments on Month 4, Day 1).

Several different actions will cause time to flow. First, traveling between areas on the world map and item synthesis via alchemy can cause several days to fly by. Second, when exploring areas outside of towns, gathering alchemy ingredients and battling monsters will take time, but at a slower rate. While exploring, each day is made up of ten units of time. Harvesting ingredients for alchemy uses two units for each attempt and a battle will use one unit, but only if Ayesha gets a turn. Any left-over units of time are lost when you leave the area.

Although the game automatically ends once you reach Year 4, three years is plenty of time for exploration, battles and alchemy. The platinum trophy is achievable in a single playthrough and I had additional time to unlock all effects for almost all items plus create Ultimate Equipment for all characters.

Notebook System

Ayesha will keep a notebook that records Goals, Tasks and a Log of completed goals. Important story-related goals will be marked with stars and should be your main guide throughout the game. Other notable goals are labeled (Search), (Travel), (Info) or (Alt).

(Travel) goals involve defeating all or a certain number of enemies as well as gathering a number of times. Completing these is necessary for some areas to open up new ones. (Search) goals are the same as (Travel) except they do not open up new areas. (Info) goals cause a new and usually powerful monster to appear in an area, while (Alt) goals do the same but allow new ingredients to be harvested as well. These enemies will respawn so you can farm them for rare items.

The date indicator in the upper right corner of the screen also has a vine graphic around it. The vine will grow flowers as you gain memory points and complete tasks and will have a large red rose once all tasks are complete. Some tasks you may need to go out of your way to complete include fulfilling all Requests, synthesizing every item, collecting all flyers and the Nearby Forest (Search) goal.

Memory Diary System

Various actions including completing tasks, requests, synthesis and even speaking to people can grant memory points. These points can then be used to write memories into a diary at any of your workshops.

Diary entries must first be obtained by completing story events, then they can be written into the diary for an additional bonus. Most of the bonuses are stat increases for Ayesha, but some are alchemy recipes or other effects such as equal experience for characters not in battle or additional items from syntheses.

Requests will be a constant source of memory points, but tasks later in the game will also provide a good amount as well. Keep up with requests and pick up any flyer you come across and you shouldn't have to worry about points very much.

Shop System

There are various shops in this game and they each have a unique inventory of items to sell. Party members also have their own shops but are only available during the Bazaar event held on the 10th through the 19th of every month. Some shops also allow you to register specific categories of items that they will then be able to sell back to you. Since shops restock their items every 1st, 11th and 21st of every month, you can effectively duplicate your items.

Each shop has a level associated with it that raises as you buy from them. As you raise the shop level, additional slots will become available for registered items. Overwriting a registered item is slightly bugged because you can't overwrite an item that is sold out, meaning you'll have to wait until the next restock.

As you complete characters' events, their shops will expand their inventories. Sometimes this will allow you to obtain some items that you won't be able to synthesize or find for a while, and other times they'll sell extremely rare ingredients.

Battle System

The battle system in Atelier Ayesha is turn based with some character positioning for an added strategic element. Each character has the Attack, Move and Flee commands plus unique Skills except for Ayesha who can use Items instead.

Battle Positions

Battles take place on a field where enemies stand in the center and each party member stands in one of four surrounding zones. Attacking an enemy from behind will guarantee a critical hit, so that is the best way to win battles. When using area attack skills, only the primary target has to be facing away in order to gain a back attack bonus against all enemies in the area of effect.

Characters' attacks are also short or long ranged which will provide a bonus indicated in the upper-right corner of the screen if the target is at the correct distance. Press up on the right analog stick during targeting to get a better view of the field.

Items and Skills

Ayesha can use items in her basket and all other characters have their own set of skills. Items will be consumed after use so you must restock your basket whenever you have a chance. Ayesha's MP might seem useless early on, but some high level items have an effect that drains her MP. If she doesn't have sufficient MP, the used item will have a reduced effect. Other characters will use their MP for skills and many are area attacks that make it easy to clear out groups of enemies.

Active Commands

When you perform an action with one character, another character can support them with an Active Command. The support gauge below a character's HP/MP is built up with any action and consumed when using an active command.

Each character has Pursuit and Back Attack which are basic follow-up attacks that can only be used if the supporting character is in the same zone as the initial attacker. The Defend command is also available to all characters and is usable from the same or adjacent zones the character being attacked is in. Each character also has two unique active commands that can only be used if the initial and supporting characters are in separate zones.

Super Moves

Each character except for Ayesha learns their Super Move at level 30. A new gauge below the support gauge will increase during any action or when receiving attacks and will allow the super move to be performed once it reaches 100%. Super moves do large physical damage, and if one is used to finish a battle, a unique song and animation will play.

Alchemy System

Alchemy! In the beginning, synthesis will be very basic as all you can do is choose your ingredients and how many copies of the item you want to create. As Ayesha raises her alchemy level, she will gain new synthesis skills that will give you more control over the process. Press Start during synthesis to see explanations about the synthesis screen and press Select to read descriptions of stockyard traits or properties.

Unlike the previous games, alchemy no longer consumes MP, which renders Ayesha's MP stat almost useless. Instead, Ayesha has a certain amount of CP to be used for each synthesis which is two times her alchemy level. An extra 20 points can be gained from the History of Alchemy diary entry (Keith's Events) and alchemy goal (synthesize 150+ unique items) allowing you to reach a maximum of 120 CP.

Each time an ingredient is added during synthesis, CP equal to the ingredient's level is used and if you run out during the process, the item will no longer change quality, elemental values, traits or properties. The synthesis will still be successful if you run out of CP, so it only matters when trying to unlock specific item effects or properties.

Item Aspects

Elemental Values

Each item has fixed fire, water, air and earth values. As ingredients are added during synthesis, so are the ingredients' elemental values. After all ingredients are added, the final elemental values will determine which item effects are activated. Additionally, each item has an innate elemental value (except for equipment) that is used to trigger certain traits.

Traits

Traits are used during synthesis to modify elemental values, quality, gained properties and CP consumption. Ingredients can have up to two traits and, like elemental values, are fixed. When ingredients are added, their traits are pushed onto a stockyard that can hold up to five traits, and its effect will be activated each time a new ingredient is added.

Effects

During synthesis, the four elemental bars displayed will show the required values for unlocking each effect. Effects for attack and healing items can change how much damage/healing they do and accessory effects can completely change their function. Note that an item's quality will have a big impact on an item's effects, so keep that in mind when synthesizing items you plan on using.

Properties

Properties are bonus effects that can be added to your items. Until Ayesha gains the Power Transfer synthesis skill, only an item's innate properties can be placed on a particular item. The property gauge in the lower right corner of the screen will indicate when a new property will pop up and will increase an amount equal to the ingredient's level. Note that some properties are restricted to specific types of items such as attack/heal/support items or equipment.

Gorjeta: You can also easily search through your items by going to your container, pressing select to display all items, then pressing triangle and selecting the specify option. This will allow you to quickly find if you have any items with a specific trait, property or of a particular category.

Some traits and properties can combine to create more powerful versions. Usually, two lower tiers of a trait or property will combine to form a higher tier. For example, Good w/ Liquids and Nice w/ Liquids will create Great w/ Liquids, and HP +10 and HP +15 create HP +25. The trait Heighten Power is special and can combine with most lower tier traits.

Synthesis Skills

Synthesis skills play an important role when trying to craft items with specific effects or properties. They can cost CP to use but provide powerful effects during synthesis. When choosing the order of ingredients, press left or right on the d-pad to use them. Only one skill can be used per ingredient.

Draw Power (5 CP) - Use this with the next ingredient to increase the gain to the property gauge by 15. This will allow you to unlock properties with a high unlock level using low level items.

Power Pour (10 CP) - This skill allows you to "duplicate" an ingredient for a cumulative 50% increase in CP cost each time it is used. This is useful for getting traits onto the stockyard or to manipulate elemental values.

Power Transfer (5 CP) - Using this skill will allow you to transfer the properties of one ingredient onto your item. This will be used to craft Ultimate Equipment and items.

Power Denial (0 CP) - Deleting properties is necessary when trying to craft items with specific properties. Since only five properties can exist on an item, deleting ones you do not want is needed to prevent ones you do want from being pushed off.

Gorjeta: Using Power Pour can easily drain all of your CP. You may want to do this intentionally to lock the item's quality, elemental values and properties in place. Since Power Denial costs zero CP, you will still be able to delete properties even after draining all your CP.

Recursive Synthesis

Items and accessories can have duplicate properties on them. One way to get two or more copies of a single property is through recursive synthesis. The Tonic item, for example, can be used as the (Nutritional) ingredient in its own synthesis. Get a property you want onto one of the other ingredients, like the Distilled Water, and transfer it onto the Tonic. Then you can create another Tonic using the same Distilled Water and one of the newly created Tonics and transfer the properties from both to get two copies of the property. Repeat the process until you have however many copies of the property you want.

Ultimate Equipment

Whetstones and Dyes

Weapons and armor are found from enemies rather than crafted this time. Instead, whetstones and dyes made via alchemy are used to transfer properties to equipment. The easiest way to make ultimate equipment is to create multiple whetstones/dyes that transfer one or two properties rather than making one that contains all desired properties.

Depending on its effect, whetstones and dyes can transfer up to five properties per use. Weapons and armor cannot have duplicate properties, so you'll have to take that into account when choosing which properties you want. When using a whetstone or dye, the properties at the top of the list are the first to transfer. If your whetstone/dye has unwanted properties then it'll make things tricky, but using the Power Denial skill to delete unwanted properties can make it easier.

Here are some of the more useful properties. Although the ingredients they're found on are only available late in the game, some can be found earlier from request rewards or shops.

  • Red Power - Aurora Stone from (Alt) Steinfeder
    • +10% Fire, Ice, Lightning damage
    • +3% Damage done absorbed as HP
    • +15% Fire and Ice damage
    • +4 to HP, MP, ATK and SPD
    • Attacks decrease all stats of target

    Red Power can also be found on the White Obsidian reward from the Elegant Lady's request in Hornheim. Word Stone-Man is also a request reward from the Old Gentleman in Vierzeberg. Ranun sells a Success Ring with Spirit Power and a Diamond Ball with Stats+6 and Skill Enhance LV3. To get the Spirit Power off of the Success Ring you can go Success Ring -> Glass Tiara -> Fortune Card -> Nimbus Stone -> Polish Powder -> Training Dye/Expert Whetstone.

    Expert Whetstone and Training Dye are the only items capable of transferring a single property, so use those. Getting a whetstone property onto a dye can be done by using the whetstone on a spare Ayesha or Wilbell weapon -> Supplement-Green -> Cow Cream -> Hard Skin -> Dye. Alternatively, whetstone -> Genug Blessing Pot -> Dye is faster, but requires somewhat rare items. Going the other direction is much easier by using the dye on a metal armor which can be used to make the whetstone.

    Most effects cap out at 100 so you might not need the same effects on all pieces of equipment. Depending on your accessories, fire and ice damage could hit 100 early making four Spirit Powers wasted. Choose alternative properties that you find useful.

    Weapons and Armor

    The best weapons and armor are dropped by bosses or high level mini-bosses. I found the mini-boss Leader in (Alt) Decayed Ruin Island to be the best because they come in a group of three, but it takes four days to get there. Since weapons and armor only drop if the characters in your party can equip them, you would have to make multiple trips. Another method is to fight Tank in (Alt) Riesengang-Middle, but it can be pretty tough and only drops a single piece of equipment per fight.

    The highest level weapons include Fairy Queen Staff, Spirit Broom, Diamond Pickax, Angel Sword, White Fang, Rainbow Ring and Single Mixer. The highest level armors are the Rainbow Shirt and Meteor Plate. They can be registered at Linca's bazaar shop if you want to duplicate them.

    The quality of equipment also has an effect on its base stats. Each point above 50 quality increases the base stats by 1%, meaning there's a 70% boost at 120 quality. Weapons and armor quality can be raised by using high quality whetstones/dyes and won't go down if you use low quality ones. Because of this, you can change the quality before or after adding your desired properties, but if you do it after, you should use Artisan's Whetstones or Polish Dyes since they do not transfer any properties.

    Acessórios

    Creating 120 quality accessories with the effects and properties you want can be difficult. Accessories can be registered in Regina's bazaar shop, so use that to obtain multiple copies. I will just list recipes for the Dragon Scale Icon and Soul Trap Chain from the Japanese wiki because those are quite useful in terms of damage.

    Accessories can have duplicate properties on a single item, but that would require you to obtain the properties through recursive syntheses rather than using whetstones and dyes.

    IngredientesEffects
    Land Dragon ScaleF Pursuit
    Melt SteelI Pursuit
    Pretty OreL Pursuit
    Polish PowderRuler Possession

    First create a high quality Melt Steel with your desired properties. The Melt Steel uses a (metal) ingredient so put your properties on a metal weapon or armor and transfer the properties to the steel. Some high quality Polish Powder is also needed.

    For the actual process: add Land Dragon Scale -> add Pretty Ore -> add Polish Powder -> Power Transfer Melt Steel. If quality isn't 120, use Power Pour on the Polish Powder for additional increases. Requires 88 CP minimum.

    IngredientesEffects
    Crystal ClawDamage Chain
    Steel Yarn BallAbsorption Power
    Soul Slag StoneSlag Specific
    Word Stone-SeaWit Overflow

    Put your desired properties onto a spare Ayesha or Wilbell weapon and make Supplement-Green -> Cow Cream -> Steel Yarn Ball. When making the chain add the Crystal Claw, Word Stone-Sea and Soul Slag Stone in that order. Now use Power Pour on the Steel Yarn Ball until you reach the desired elemental levels and finally use Power Transfer.

    Ayesha Alternatives

    Ayesha doesn't have any attack skills so some might say giving her equipment with properties such as Red Power and Spirit Power would be "doing it wrong." Although she would be able to one-shot regular enemies, her normal attacks won't measure up to her skill-based allies against bosses. To give Ayesha a chance to improve her damage output, she will need some alternative equipment.

    Items are affected by Ayesha's Power stat, so giving her equipment with Skill Enhance and Skill Power properties will increase her items' effectiveness. Her Critical stat will also have an effect, so using Dragon Scale Icon and Soul Trap Chain accessories with critical boosting effects, or properties such as All Soul Pour will help. You don't have to worry about her Skill Cost stat (MP Usage) since it doesn't have an effect on items that drain MP.

    Other more defensive properties that can be useful are Virtual Image and Moon Power. These two boost evasion by 15 and 10 respectively, and raising Ayesha's evasion to 100 will allow her to evade around 80%-90% of all normal enemy attacks. Unfortunately, bosses have a higher than normal hit rate that even 100 evasion won't be effective against, but there is an item property that can buff evasion even further (See Healing and Support Items). If you do not care for evasion, you could just stack HP +25 properties instead.

    Useful Items

    Once you've equipped your characters with Ultimate Equipment, you'll rarely have a need to use items during battle again. But since this is an alchemy game, here are some of the best end-game items. Using these, in combination with Ayesha Alternatives and a little luck, you could solo the Grand Dragon.

    One of the main things you need for good items is to create them with a 120 quality rating. The quality of an item has a major impact on the item's effects so you should use high quality ingredients or manipulate quality increasing traits (Well-Made, Nicely Made, Amazingly Made) during synthesis.

    Some properties that are useful on all items are High Speed LV3, Critical LV3 and Stable Effect 50%. High Speed will reduce the wait time after using an item and Critical will increase the chances of the item having a critical effect. You can stack two Critical LV3 properties on a single item giving it a 100% chance for a critical. Stable Effect will prevent an item's damage or healing from fluctuating which I find more useful on attack items. Choose whichever properties you want since they're all quite useful.

    Healing and Support Items

    Aside from the properties listed above that can be useful to all items, you can add healing and support only properties that can buff your characters. Not all buffs are stackable and can actually overwrite each other, but the ones listed below should be able to work together.

    • Gold Honey - Gold Hive
      • Heals HP and MP - useful when using a lot of MP draining items
      • Increases evasion and critical - works well with 100 evasion against bosses
      • Can trigger Quick effect, shortening wait time between turns
      • Raises ATK, SPD and all RES
      • Level Up buff - additional stats buff

      God's Miracle Drug: One of the best healing items since it targets the entire field. You will want to add the Time Power property that comes from the Time Guard Flower which is one of the ingredients. This property will give the item three timed effects like Continuation LV3, but without reducing its power. Mythic Potency, also from Time Guard Flower, increases your characters stats, but it's not very noticeable. To get other properties onto the miracle drug, get them onto a Body Energy Powder to use as the (Elixir) ingredient.

      Forbidden Capsule: Force Backup, the high water effect on this item, will give your characters the ability to perform three actions on their next turn. When Ayesha uses it on herself, she'll be able to immediately do two additional actions on her current turn as well as her next. Make sure to remove the capsule's side effects by having a high enough earth value during synthesis. Any buffing properties you did not put onto your God's Miracle Drug should be placed onto this.

      Attack Items

      I decided to give all my attack items the same properties: High Speed LV3, Stable Effect 50%, two Critical LV3's and Spirit's Anger (from Element Core). You can choose other properties, but according to testing done by afreaknamedpete, properties like Force +XX% don't seem to work. Anyways, to get the properties onto most of these items, I suggest you use a Corundum since it's both a (Jewel) and (Precious Ore).

      Magic Square and Mirage Mirror: Both of these are timed items and will deal major damage over time. A total of three timed items can be in effect during battle, so these two plus God's Miracle Drug (with Time Power) will be the ones to use. The Mirage Mirror does a random bomb effect whenever it triggers including Magic Square, Black Eclipse and Exa-Bomb, but also Eis Bomb Ice, Lightning Stern and Divine Oracle. Once the timed effects have run out, make sure to use another item to get them back up.

      Black Eclipse and Exa-Bomb: These two items will be your direct damage items. After getting Magic Square and Mirage Mirror up and running, use these when you don't need any healing. Since Black Eclipse uses MP, you should use Exa-Bombs when Ayesha's MP is low.


      Play video content

      Joey Fatone says it's game if 'NSYNC and Backstreet Boys ever square off in a battle of the boy bands . and he thinks it wouldn't even be close.

      We got Joey out at LAX Monday and our camera guy asked him about the possibility of 'NSYNC and Backstreet battling it out on Verzuz, the Instagram Live pandemic phenomenon usually reserved for rappers. So far, it's seen showdowns between Timbaland e Swizz Beatz, Lil Jon e T-Pain, e Snoop Dogg e DMX.

      Joey tells us how he really feels . he says 'NSYNC would win in a landslide no matter what.

      A potential Verzuz showdown would be a huge hit, but Joey says there are some huge hurdles before the two bands ever go toe-to-toe.

      Joey's giving 'NYSNC the edge, but he tells us why Backstreet could give them a run for their money, depending on the ground rules.


      30 of the Best, Craziest Things Ever Said in Iron Chef America's Kitchen Stadium

      It's no secret that the Iron Chef America judges have tasted just about everything. But they — and the viewers — have also heard it all too. Look back on the most-memorable quotes ever.

      "Whose cuisine will reign supreme?" — The Chairman

      This is the question on which all Iron Chef battles are based, and in many cases, the answers have left competitors in tears.

      "Allez! Cuisine!" — The Chairman

      Perhaps the two most-revered words ever uttered in Kitchen Stadium, "Allez! Cuisine!" literally translates to "Go! Kitchen!" This phrase marks the official beginning of every battle.

      "I say unto you in the words of my uncle." — The Chairman

      Second only to "Allez! Cuisine!" this powerful sentence said by the Chairman reminds all competitors of the longstanding tradition of Iron Chefdom.

      "I hate this." — Bobby Flay

      The stress was getting to him in the final moments of battle, and he nearly crumbled under pressure.

      "The secret to using the Secret Ingredient is knowing when not to use it." — Alex Guarnaschelli

      She uttered this wise phrase during Battle Jerky, but it would surely apply to any and all Secret Ingredients.

      "If you overwork this, I will kill you." — Geoffrey Zakarian

      When the Chairman unveiled his Culinary Curveball to be a human-powered bicycle that churns ice cream, Iron Chef Zakarian was forced to leave his ice cream base in someone else's hands. And the Iron Chef made sure the bicycle rider knew just how much this ice cream meant to him.

      "These guys are using everything but the oink." — Alton Brown

      Given that Alton said this during Battle Suckling Pig, we're taking it to be a good thing.

      "I have ice cream paranoia." — Alex Guarnaschelli

      From the looks of this soupy mess, we can see why, Iron Chef.

      "I can fix it. I'm an Iron Chef, for God's sake." — Alex Guarnaschelli

      We never doubted you, Alex.

      "Tick, tock. The Chairman wants his dinner." — Alex Guarnaschelli

      Leave it to the Chairman's newest Iron Chef to keep her team and her rival in check when it comes to the dwindling time left on the clock.

      "I'm getting too old for this s---." — Michael Symon

      We hope this was just the stress of battle talking, because we quite enjoy watching Michael showcase his stellar skills in Kitchen Stadium.

      "We are going to just bomb them with mascarpone so that they have no choice but to crown us victorious." — Alex Guarnaschelli

      If you ask us, this seems like a fine approach to Battle Mascarpone.

      "I'm purposely staying away from you, Kevin. You ask too many questions." — Chef Clark

      Challenger Chef Clark joked with Kevin Brauch about the floor reporter's interview tactics.

      "Chairman, it's time for these new kids on the block to take this boy band down." — Alex Guarnaschelli

      With one simple (and downright punny) sentence, Alex set up what would ultimately become an infamous battle of herself and Geoffrey against a team of Bobby and Michael.

      "You think Geoffrey was around at the first Thanksgiving?" — Michael Symon

      After Alex's "boy band" quip, Michael was sure to poke a little fun at one half of Team Zakarian-Guarnaschelli before the cooking began.

      "I'm going to have a heart attack." — Alex Guarnaschelli

      Each Iron Chef handles the stress of a battle differently, and now we know how Alex deals.

      "Lady with a baby." — Michael Symon

      Though he's not carrying an infant, Michael is cradling a precious turchetta, a holiday-worthy hybrid that ultimately wowed the judges.

      "I hate when there's, like, a minute left to go, and you're like, 'Oh, yeah, I still have to cook something.'" — Bobby Flay

      Spoken like a true battle-tested competitor, Iron Chef.

      "Bobby, please quit saying 'Oh, s---.'" — Michael Symon

      As the time slipped away in the team battle that saw Bobby and Michael working together, Bobby couldn't help but let a few curse words slip. But his buddy made sure to keep him in check.

      "C'mon. Let's get some smiling going. Through all that sweating, how about some top teeth?" — Alex Guarnaschelli

      Alex did her part to keep up the momentum in Kitchen Stadium.

      "Happy Halloween, b------." — Alex Guarnaschelli

      In a super-spooky Halloween battle, Alex flashed a sly grin as she worked on an element of her team's dish.

      "When in doubt, pressure cook it." — Challenger Vigneron

      Indeed, Chef Vigneron. With only 60 minutes to cook any and all massive proteins, a pressure cooker is a smart way to quickly tenderize meat.

      "Don't stress me." — Alex Guarnaschelli

      We wouldn't dare, Iron Chef.

      "Get out." — Michael Symon

      After his challenger Chef Fraser wowed the crowd by beginning battle sans sous chefs, Michael too kicked out his team. And with that, the first-ever one-on-one battle was underway.

      "Ow." — Bobby Flay

      It turns out that not even Iron Chefs have hands of steel, because when Bobby attempted to hold a piece of tuna just inches from the grill, he too felt the heat.

      "I hate this part so much." — Bobby Flay

      The anxiety, the commotion, the (inevitable) sweating — there's not much about the final moments of battle that isn't endlessly nerve-racking.

      "We're all about flavor on this side." — Bobby Flay

      Bobby said this during a battle with luxury Secret Ingredients, but we're pretty sure this sums up his Kitchen Strategy each and every time he competes.

      "I'm never eating trout again." — Alex Guarnaschelli

      She'd helped Iron Chef Zakarian break down countless trout, so it's no surprise that she was simply over the fish at this point.

      "This power couple may be out of the honeymoon phase." — Alton Brown

      The host made this observation after noticing a particularly heated exchange between Iron Chef Zakarian and his then-sous chef, Alex.

      "It brings out my sensitive side." — Michael Symon

      Michael said this in regard to the miniature popcorn popper during Battle Olive, and we have to agree with him.