Novas receitas

De volta às aulas: uma nova visão sobre o dom tradicional do "professor"

De volta às aulas: uma nova visão sobre o dom tradicional do

Com apenas um piscar, o verão está chegando ao fim e a queda está ao virar da esquina. Alunos de todas as idades estão se preparando para um novo ano; eles estão imaginando seus novos professores, novos amigos e as experiências das quais farão parte durante este novo ano letivo.

Quando de volta à escola O tempo passa, quebrar o gelo com novos professores pode ser uma experiência difícil não apenas para os alunos, mas também para os pais. Afinal, você quer ter boas relações com a pessoa que vai dar ao seu filho um ano inteiro de estudos. É por isso que criamos um gesto simples e simpático para dar ao professor novo ou existente do seu filho para mostrar apreço por seu trabalho árduo, paixão e dedicação.

O arranjo "Ajudando você a crescer" é uma nova abordagem da tradicional "maçã do professor". Apresentado em um pote de terracota ou recipiente de estilo semelhante, oferecemos a você todas as ferramentas necessárias para você e seu filho criarem um belo gesto que não apenas ajuda o professor a se sentir apreciado, mas também desempenha um grande papel em deixar seu filho animado para o novo ano. Dentro de cada vaso vêm vários saquinhos - um com a quantidade perfeita de solo para encher o vaso, outro com uma variedade de plantas suculentas e um com pedras decorativas. Além disso, um pequeno quadro-negro com as palavras “Obrigado por me ajudar a crescer” será incluído com ráfia e uma picareta para enrolar em seu vaso ou grudar em seu pequeno jardim suculento. Cada jardim é diferente e você sempre pode comprar sacos suculentos adicionais, pedras (disponíveis em branco, marrom e preto), bem como flores frescas e muito mais.

Divulgue a importância da educação e mostre aos seus filhos o quão valioso é um grande professor com este simples gesto.

Kristin Slavick, Assistente Executiva e Coordenadora de Eventos da Flora Couture da Floral 2000 em Las Vegas, NV e Florist em BloomNation.com

Flora Couture por Floral 2000 Bio

Por mais de 16 anos, Flora Couture by Floral 2000 tem sido, sem dúvida, o estúdio de design floral de maior prestígio no Vale de Las Vegas. Como uma empresa de propriedade e administração familiar, eles têm grande orgulho em garantir que cada arranjo seja projetado de maneira nova e adaptado aos desejos individuais do cliente. Por toda a cidade, eles foram exibidos em muitos dos incríveis cassinos da Las Vegas Strip e foram a floricultura escolhida pelo "Quem é Quem do Vale". Utilizam apenas os melhores produtos disponíveis, garantindo assim uma qualidade superior, permitindo que os seus designs únicos e artísticos sejam como nenhum outro.

BloomNation Bio

O "Etsy para flores", BloomNation apresenta mais de 2.500 floristas artesãos locais que fazem entregas em mãos em mais de 3.000 cidades em todo o país. Os clientes agora podem comprar diretamente com os melhores floristas, sem ter que passar por sites de intermediários, como 1-800-Flowers, ao mesmo tempo em que recebem arranjos exclusivos e únicos. Cada cliente também recebe um "BloomSnap", que é uma foto do acordo concluído antes de ser entregue, para que o cliente tenha a certeza de que o que foi pedido é o que será recebido.


As melhores listas de compras de volta às aulas (do jardim de infância à faculdade)

Fizemos previamente essas listas de materiais escolares para facilitar a sua experiência de volta às aulas (não importa como seja este ano).

Antes de seus filhos voltarem para a escola (ou entrarem na faculdade!), Faça uma lista de materiais escolares e verifique-a duas vezes. Mesmo que eles estejam estudando em casa ou no aprendizado virtual neste outono, ainda é importante que cada aluno esteja devidamente equipado para ter um ano letivo de sucesso. Esteja você começando do zero ou examinando materiais do ano passado, use essas listas de verificação, que são divididas por série, de & mdash elementar a faculdade & mdash como um guia. Se você realmente quer um verão sem estresse, imprima a lista que se adapta às suas necessidades e leve-a para a loja, para que possa entrar e sair rápido. Ou faça compras on-line e canetas mdash, mochilas, minigeladeiras e muito mais para que você possa aproveitar seus últimos dias da temporada.


Interações do leitor

Comentários

esta lista é realmente incrível para aprendizagem em casa para crianças & # 8230
você pode encontrar mais páginas para colorir sobre o último dia de aula para colorir na internet

Ótimos cartões, meus filhos os adoram!

Excelente! Aqui está minha loja de produtos para impressão! Talvez você goste!
https://www.etsy.com/shop/ArtValeria

Oi! Aqui estão belas páginas para colorir para o tópico escolar http://coloring-4kids.com/en/misc/

Quero imprimir as etiquetas de lanche da mochila, mas não posso porque não está vinculado. Eu espero que você possa me ajudar obrigado

Esses imprimíveis gratuitos são maravilhosos! Muito fofo e bem executado & # 8230milhões de agradecimentos!

Diane Castro Hudspeth diz

Eu adoraria me adicionar à lista. Todas as manhãs de escola eu posto notas de almoço grátis para impressão em meu site http://littlelunchnotes.com/. Piadas ilustradas, curiosidades, etc. & # 8211, dê uma olhada.

Muito obrigado pelos excelentes recursos para impressão gratuitos. Tão generoso de sua parte compartilhar. Meus filhos vão adorar as tags Star Wars e School is Sweet.

incrível resumo de imprimíveis! tudo o que você pode pensar está bem aqui!

obrigado por incluir o meu.
Kellie

Alguns incríveis impressos gratuitos para crianças & # 8211 Eu adoro os cartões de rotina matinal e os cartões de conversa depois da escola! & # 8230 http://t.co/S2GsBEg

Ótimo para #backtoschool, especialmente os cartões de rotina matinal. RT @livinglocurto: Resumo para impressão gratuita de volta às aulas http://t.co/UHdKNnT

http://ow.ly/67mUA Muitos itens para impressão que parecem ser mais voltados para os pais, mas posso ver quantos deles também podem ser usados ​​& # 8230

O MELHOR conjunto de impressos escolares GRATUITOS na Living Locurto! & # 8230 http://fb.me/Nr3At1Bv

Tantos ótimos itens para impressão para nossos professores e mães do tapete vermelho! Feliz volta às aulas! (Difícil de imaginar com & # 8230 http://fb.me/IGMlHJBy

Confira estes adoráveis ​​e GRATUITOS imprimíveis de volta às aulas no Living Locurto! http://fb.me/wAJpgS4m

O MELHOR conjunto de impressos escolares GRATUITOS na Living Locurto! & # 8230 http://fb.me/Nr3At1Bv

Amy, isso é ótimo! Obrigado! Seus cartões de rotina matinais têm ajudado muuuuito nossa família. Dou os cartões aos meus filhos e eles VÃO. Surpreendente.

Imprimíveis de volta às aulas grátis, algumas idéias realmente legais também! http://fb.me/GCmcHIL2

Living Locurto tem um bom resumo de imprimíveis GRATUITOS para a volta às aulas. Tantas coisas fofas !! http://fb.me/1cvHZgjwH

Tudo isso é tão divertido! RT @livinglocurto Agradeça seu professor com ótimas ideias deste Round-Up para impressão gratuita http://bit.ly/fSk5Ro

O MELHOR conjunto de impressos escolares gratuitos de Living Locurto & # 8211mais de 30 imprimíveis! Bem a tempo para o professor & # 8230 http://fb.me/WSQSQMHM

Voltar às aulas para imprimir grátis | Living Locurto & # 8211 GRÁTIS para impressão, receitas, ideias para festas e artesanato. http://t.co/whYaby3 via @AddThis

Estes são adoráveis! Faz-me desejar que os meus filhos voltem a ser pequenos para que os apreciem. Em vez disso, eu os compartilhei no FB!

Que rodada incrível, obrigado!

#Free #backtoschool printables de @livinglocurto http://bit.ly/bICIos

Ótimo rodeio! Aqui está outro para sua consideração. Minhas filhas e eu fizemos cobertores de cupcake com estampa de maçã e depois assamos vários cupcakes de volta às aulas para os primos.
Você pode baixar um PDF de nossas impressões de maçã aqui:
http://pennycarnival.typepad.com/penny_carnival/2010/08/a-is-for-apple.html

Uau! Obrigado por colocar isso junto e um grande obrigado a todas as pessoas criativas que contribuíram para o arredondamento! Fiquei ocupado a manhã toda salvando muitos deles para uso futuro e planejando como gostaria de usá-los!

Amy! Eles são tão maravilhosos & # 8230 todos eles, muito obrigado por compartilhar (e por não me obrigar a fazer nada). Vários deles são REALMENTE úteis para mim.

Estes são muito fofos! Planejando fazer cupcakes para a formatura da pré-escola hoje à noite - eles começam no jardim de infância na próxima semana! http://bit.ly/dfK7I3 #fb

RT @lwinphotography Eu simplesmente amo todos esses impressos de volta às aulas da Amy da Living Locurto! http://fb.me/Avphq3Wq

Eu adoro todos esses impressos de volta às aulas da Amy da Living Locurto! Ela sempre tem o melhor resumo & # 8230 http://fb.me/Avphq3Wq

Imprimindo algumas coisas fofas deste resumo para impressão gratuito de volta às aulas http://su.pr/1hez2I via @livinglocurto

Só queria que você soubesse que incluí este recurso fantástico em meu blog & # 8217s Resumo de Leitura semanal. Obrigado por compartilhar!


40 mensagens positivas de volta às aulas, citações e imagens

Voltar para a escola depois de uma longa pausa de verão ou mesmo de umas férias curtas pode ser um momento de emoção, ansiedade e até um pouco de tristeza para alunos de todas as idades. O novo ano escolar está cheio de muitas incógnitas e isso pode ser um pouco assustador no início. Além disso, dizer adeus a férias de relaxamento e diversão não é exatamente algo que a maioria das crianças, mesmo muitos universitários, anseiam. Você pode apoiar seu aluno favorito enviando uma nota positiva para que saibam que você se importa. Não importa se você a envia em um cartão ou online, uma mensagem pode fazer com que os alunos se sintam apoiados e tirar um pouco do medo ou melancolia de fazer a transição das férias para um novo semestre letivo. Aqui estão 40 mensagens de volta às aulas e citações para você escolher. Cada um é positivo, sincero e honesto e permite que seu aluno favorito, seja ele seu filho ou amigo, saiba que você entende a importância deste momento.


A lenta e cautelosa reabertura do LAUSD mostra a influência do sindicato dos professores, mas tem críticos

O distrito escolar de Los Angeles deve desenvolver um plano de reabertura gradual e parcial na terça-feira, que foi fortemente influenciado pelas demandas do sindicato dos professores que levaram a um atraso na data de início e tempo de instrução ao vivo limitado - e também por estritos imperativos de segurança compartilhados por ambos os distrito e união.

L.A. schools Supt. Austin Beutner saudou a reabertura como um modelo líder nacional para a segurança escolar, que é sensível às famílias em comunidades de baixa renda mais afetadas por doenças e mortes durante a pandemia. Mas a abordagem também gerou críticas daqueles que afirmam que a quantidade e a qualidade do ensino para 465.000 alunos foram sacrificados este ano como resultado de preocupações sindicais.

As principais disposições de segurança - incluindo testes obrigatórios de coronavírus para alunos e funcionários, bem como distâncias de seis pés entre as carteiras - vão além do que as autoridades de saúde exigem. A política de distanciamento resultou em um horário de meio período nas salas de aula no campus. O momento da reabertura - cerca de dois meses após os campi elementares serem elegíveis para reabertura - foi definido para permitir que os professores e outros funcionários distritais obtivessem o máximo de imunidade à vacina.

Essas decisões têm defensores, incluindo muitos pais que vivem em bairros devastados pelo COVID-19 e que ainda estão indecisos sobre se é seguro mandar seus filhos de volta à escola. Mas as escolhas de Beutner e do conselho escolar vieram com compensações.

“Os planos do LAUSD para a reabertura continuam a limitar o acesso à aprendizagem presencial de uma forma que está muito aquém do que muitos outros distritos escolares em todo o estado, incluindo Long Beach, estão oferecendo”, disse Pedro Noguera, reitor da Escola de Educação USC Rossier.

O formato que será lançado na terça-feira oferece duas opções para os pais: um programa de aprendizado de meio período no campus que ainda inclui instrução remota ou uma opção apenas remota. Com base nos resultados da pesquisa, cerca de 39% dos alunos do ensino fundamental estarão retornando, 25% para o ensino médio e 17% para o ensino médio.

O negócio é uma boa notícia para os pais trabalhadores de crianças do ensino fundamental, que podem permanecer no campus o dia todo. Os membros do sindicato vão votar na próxima semana.

Pode ser que a ênfase na segurança valha a pena construir a confiança entre pais e famílias cautelosos que sofreram surtos mortais de coronavírus - alguns preferem um retorno gradativo, enquanto outros ainda não estão prontos para mandar seus filhos de volta em nenhuma circunstância. Além disso, os acordos sindicais evitaram a acrimônia trabalhista que às vezes acontecia em outras cidades, incluindo Nova York e Chicago.

No entanto, outros pais tornaram-se impacientes, culpando o distrito ou sindicato ou ambos, pelos déficits de educação e danos do isolamento sofridos por seus filhos. Esse descontentamento veio à tona em três ações judiciais contra o distrito - duas delas também citam o sindicato como réu. Todos visam vários aspectos do plano de aprendizagem da pandemia do distrito e afirmam que os acordos com os sindicatos dos professores são a raiz do problema. Em autos judiciais, sindicato e comarca defenderam suas ações.

Os documentos judiciais - ligados a uma ação judicial de setembro sobre ensino à distância - oferecem insights sobre como os negociadores sindicais, por meio de um acordo de agosto com o distrito, moldaram as instruções para o atual ano letivo. Cerca de 70% dos alunos provavelmente permanecerão online quando seus campi forem reabertos.

Os documentos mostram que os negociadores distritais queriam um programa de ensino à distância que se parecesse mais com o horário escolar tradicional. O sindicato recuou: muito tempo de tela seria prejudicial para os alunos. Alunos e professores se beneficiariam mais com um horário flexível, o que, para o sindicato, significava um dia letivo mais curto e menos instrução on-line ao vivo necessária.

Um grupo de pais está buscando uma ordem judicial para pressionar o distrito escolar de Los Angeles a reabrir em tempo integral, cinco dias por semana para todos os alunos.

O pacto final resultou em LA Unified exigindo o menor número de minutos de instrução ao vivo entre os cinco maiores sistemas escolares da Califórnia, de acordo com uma pesquisa divulgada no mês passado pelo grupo de defesa Great Public Schools Now - embora haja poucas dúvidas de que muitos professores distritais ultrapassaram em muito o mínimos estabelecidos no acordo.

Segundo o acordo, o tempo mínimo de instrução online ao vivo para alunos do ensino fundamental de L.A. Unified foi estabelecido em 114 minutos. Para a vizinha Long Beach Unified, o quarto maior sistema escolar do estado, o número é 255. Para o ensino fundamental e médio, são 138 minutos em L.A. Unified e 300 em Long Beach.

Os vaivéns das negociações são descritos em atas de reuniões, e-mails e propostas arquivadas no tribunal.

Alunos do ensino médio relembram seu ano em casa enquanto se preparavam para retornar ao campus pela primeira vez desde o início da pandemia.

Entrando nas negociações, o L.A. Unified foi criticado, na primavera de 2020, por não exigir que os professores fornecessem instrução online ao vivo em meio à resposta de emergência para encerrar campi.

“Não quero perder nossos pais”, disse a diretora acadêmica Alison Yoshimoto-Towery, de acordo com as atas da reunião de 16 de julho de 2020, que não são transcrições palavra por palavra. “Eles querem saber que estamos nos comprometendo com um dia inteiro. Que seus $ vão realmente sustentar as crianças. ”

“Fomos bastante surrados pelos pais”, disse o diretor distrital de Relações Trabalhistas Tony DiGrazia em 23 de julho. da mesma forma, vai ser um problema. ”

“Recebemos tanto calor na primavera e continuamos a sentir calor agora por cerca de 4 horas”, acrescentou Yoshimoto-Towery, referindo-se à duração necessária do dia de trabalho do professor na primavera de 2020.

Um dia de trabalho tradicional do professor incluiria seis horas no campus com os alunos mais cerca de duas horas adicionais para trabalho suplementar dentro ou fora do campus.

Os negociadores sindicais contestaram que o distrito não deve ceder à pressão pública equivocada - seja da mídia ou de pais mais privilegiados que, segundo eles, não representam a opinião da maioria das famílias, mostraram documentos judiciais.

Os pais de Los Angeles entraram com uma ação coletiva contra o Los Angeles Unified, dizendo que o distrito não está oferecendo aos alunos o direito constitucional à educação durante o ensino à distância.

A equipe do sindicato enfatizou que seus membros estiveram conversando com pais que falam espanhol - que não "ganham mais de 100 mil", disse Grace Regullano, diretora de análise e pesquisa estratégica do sindicato na ata. “Isso precisa ser levado em consideração quando se fala em equidade, quem está sendo ouvido somos tutores ouvintes em espanhol, [que] são de baixa renda disseram que estão satisfeitos” com o que os professores vinham proporcionando.

Os funcionários distritais afirmaram a importância de manter horários familiares e fornecer tempo de instrução adequado.

“Vemos uma necessidade de vídeo ao vivo, precisamos de um dia escolar definido e gostaríamos de ver o espelho do dia de trabalho ou paralelo a um dia normal de trabalho”, disse DiGrazia em 16 de julho. “Não é possível enganar os alunos.”

A equipe sindical rebateu que o distrito estava tendo uma visão muito restrita da instrução, afirmando que o tempo excessivo de tela seria prejudicial. “É difícil para os adultos usar o Zoom 3 horas por dia”, disse Julie Van Winkle, vice-presidente do sindicato para escolas secundárias. A equipe sindical também se opôs a qualquer insinuação de que os professores não trabalhariam além do mínimo exigido.

“Nossos professores têm se disponibilizado de 18 a 20 horas por dia”, disse Gloria Martinez, a vice-presidente do sindicato do ensino fundamental em 31 de julho. “É um pouco ofensivo presumir que não faremos o que é melhor”.

O sindicato cedeu algum terreno, mas muito aquém do que a equipa distrital disse que queria. O sindicato também prevaleceu na redução da jornada escolar: o horário revisado foi das 9h às 14h15. em vez de cerca de 8h00 a cerca de 15h00 Os negociadores sindicais insistiram que os alunos e famílias precisavam de flexibilidade, assim como os professores.

“Alguns alunos do ensino médio estão trabalhando para sustentar suas famílias e não conseguirão sobreviver (horário de aula)”, disse Van Winkle.

As preocupações de ‘meus pais’ passaram a ser minhas. ’Os alunos de L.A. assumiram um trabalho árduo para sustentar suas famílias durante a pandemia.

Em um comunicado na semana passada, o sindicato disse que os pais demandantes no processo de ensino à distância não reconheceram que um dia online não deve ser comparado diretamente a um dia escolar tradicional.

“O dia virtual é necessariamente diferente daquele passado no campus, onde há intervalos mais longos para almoço, recreio, mudanças de aula e tempo para responder a perguntas individuais enquanto os alunos fazem as tarefas em sala de aula”, disse o comunicado. “O dia escolar presencial nunca foi de oito ou mesmo seis horas de palestras ininterruptas (e os alunos geralmente não passam oito horas por dia no campus), mas inclui vários modos de aprendizagem e essa variedade foi adaptada aos modelos remotos. ”

Quando se trata de questões de segurança - como distanciamento, filtragem de ar aprimorada e teste de coronavírus - os registros do tribunal mostram concordância substancial desde o início, embora houvesse detalhes importantes a serem resolvidos, incluindo como os comitês de segurança da escola funcionariam.

À medida que o acordo de ensino à distância foi firmado, as negociações continuaram - embora os detalhes dessas conversas não tenham sido divulgados. No entanto, os termos de vários acordos sindicais que surgiram gradualmente desempenharam um papel na L.A. Unified, ficando para trás em muitos outros sistemas escolares no fornecimento de serviços pessoais a alunos com necessidades especiais, como aqueles com deficiência e alunos aprendendo inglês. As aulas particulares e outras ajudas para os alunos atingiram menos de 1% das matrículas do distrito antes que as autoridades fechassem todo o contato pessoal durante o outono mortal e o aumento do coronavírus no inverno.

O distrito se recusou a responder por este artigo. Em uma carta pública ao editor do The Times, respondendo ao último processo, um funcionário distrital observou que os alunos do ensino fundamental terão cinco dias no campus com a adição de creches para cobrir o período das 8h00 às 16h00 - mais do que alguns outros distritos estão oferecendo.

O sindicato, em seu depoimento, afirmou que os pactos trabalhistas estão de acordo com a legislação estadual e há respaldo para isso.

O escritório de educação do condado confirmou que o estado não exigia nenhuma quantidade específica de instrução online ao vivo para este ano letivo. O único requisito “ao vivo” é para um check-in diário.

“Os educadores da UTLA priorizaram sem desculpas a segurança da comunidade, dos alunos e da equipe durante a incerteza e o ambiente dinâmico da pior pandemia de nossas vidas”, disse a presidente do sindicato, Cecily Myart-Cruz, no comunicado. “Os educadores em L.A. trabalharam mais e por mais horas do que em qualquer outro período de nossas carreiras.”

Os perigos de ser pai durante uma pandemia

O que está acontecendo com a escola? O que as crianças precisam? Receba o 8 ao 3, um boletim informativo dedicado às questões que mantêm as famílias da Califórnia acordadas à noite.

Você pode ocasionalmente receber conteúdo promocional do Los Angeles Times.


Para o Morador de Apartamento Urbano

Caneta Esferográfica Red Lacquer

Um presente perfeito para o jovem executivo em ascensão, esta elegante caneta esferográfica Parker Sonnet combina as cores vermelha e dourada da China para dar sorte e prosperidade. Montado à mão e embalado em uma caixa de presente premium.

»Leia as críticas e compre na Amazon.com

Ímãs de comida chinesa

Anime a geladeira em qualquer apartamento no centro da cidade com estes ímãs adoráveis ​​com um banquete de comida chinesa clássica, como Lion & # 8217s Head Meatballs, sopa de macarrão, sopa de feijão vermelho, bolinhos de gergelim preto e arroz cozido no vapor.

»Leia as críticas e compre na Amazon.com

Dupla felicidade puxa

Adicione um pouco de alegria à sua sala de estar com estes puxadores de porta de armário de latão em forma de caracteres chineses para & # 8220dobro de felicidade. & # 8221 A coleção Chinese Brass Hardware também inclui muitos outros fechos, fechaduras e dobradiças em chinês tradicional e contemporâneo designs.

»Leia as críticas e compre na Amazon.com

Baijiu: o guia essencial para os espíritos chineses

Baijiu é simultaneamente o licor mais consumido no mundo em volume e ainda relativamente desconhecido fora da China. Viaje pela fronteira final dos álcoois do grande mundo com este guia abrangente e prático do autor Derek Sandhaus.

»Leia as críticas e compre na Amazon.com


Voltando à escola: O bom, o ruim e o feio

Voltar para a escola durante a pandemia do coronavírus provocou uma confusão de emoções em professores, alunos e pais, que queriam ver as crianças de volta aos prédios da escola, mas também temiam o risco de contrair o covid-19.

Este post relata as experiências de pessoas que voltaram à escola no ano letivo 2020-2021 em vários distritos escolares. Foi escrito por Carol Burris, uma premiada ex-diretora e agora diretora executiva da Network for Public Education, uma organização sem fins lucrativos que apóia distritos de escolas públicas tradicionais.

A organização tem monitorado 37 distritos escolares em Connecticut, Nova York e Pensilvânia, representando mais de 195.000 alunos e milhares de funcionários em áreas com taxas de covid-19 do condado variando de 0 a 5,9%. Todos os distritos escolares exigem o uso de máscaras, e as escolas da Pensilvânia têm programas de esportes ativos. Os distritos estudados estavam em condados com baixas taxas de coronavírus e requeriam o uso de máscaras.

Burris foi o antigo diretor da South Side High School no Rockville Center School District de Nova York, a escola é mencionada em seu relatório abaixo. Em 2010, ela foi reconhecida pela Associação de Administradores Escolares do Estado de Nova York como sua educadora de destaque do ano e, em 2013, ela foi reconhecida como a diretora de ensino médio do ano de Nova York.

Por Carol Burris

Ninguém poderia ter ficado mais feliz do que Cooper Knorr quando ele voltou para a escola em setembro. Cooper, que bravamente luta contra a osteogênese imperfeita, comumente conhecida como doença dos ossos frágeis, tinha acabado de se recuperar de sua 10ª grande cirurgia após o 90º osso quebrado quando sua escola fechou na primavera passada. “Meus olhos doeriam de olhar para a tela do computador”, disse ele. “Na escola, é muito mais fácil aprender.”

“A escola é a vida dele”, disse-me sua mãe. “Ele está tão animado por estar de volta.”

Ao mesmo tempo em que ficava encantada por ele, no entanto, Christine Brown lutava contra a ansiedade de retornar ao colégio, onde ensina inglês. "Eu estava preocupado. Eu gostaria de poder ficar em casa ”, disse ela. … Eu não sou um trabalhador de linha de frente. Mas vendo a empolgação de meus próprios filhos voltando e como eles são gratos, minha opinião mudou. ”

Brown e Cooper Knorr estavam entre os 15 professores, administradores, pais e alunos que entrevistei sobre o retorno à escola presencial. Seus distritos escolares ficavam em Nova York ou Pensilvânia, em áreas onde o covid-19 é baixo, e como um superintendente me disse: “Temos uma chance de lutar”.

Sem surpresa, os sentimentos sobre o retorno ao ensino presencial são complicados. Tamara Sommers é professora da terceira série em Long Beach, Nova York. Ela e seu professor auxiliar de educação especial voltam cinco dias por semana.

“Normalmente sou um germafóbico. O resto do mundo agora está me alcançando ”, disse ela com uma risada, admitindo que inicialmente ficou assustada com a ideia de voltar. “Começamos a semana nervosos, mas a cada dia ficava melhor. Estamos resolvendo os problemas que surgem. ”

Na zona rural de Nova York, um diretor de escola secundária que pediu anonimato abriu sua escola no Condado de Columbia, onde houve poucos casos. No entanto, alguns de seus professores ficaram com medo de voltar. Isso mudou, ele me disse, quando os alunos chegaram.

“Todos ficaram aliviados. As crianças são ótimas com máscaras, embora às vezes eu precise lembrar os adultos depois do fim das aulas para mantê-los ”, disse ele. “Nós apenas temos que trabalhar em nosso distanciamento social.”

Thom Hessel, um professor de física na South Side High School de Rockville Centre, é casado com um médico intensivista que trabalhou durante os dias mais sombrios do cobiçado 19 em Nova York na primavera passada. “Eu vi médicos incríveis de UTI [unidade de terapia intensiva] quase quebrados na primavera passada”, disse ele.

Mesmo assim, disse Hessel, ele se sentia cautelosamente otimista em mandar seus próprios filhos de volta, bem como em retornar à sala de aula do colégio. “Não confio no governo federal agora, mas confio no estado e no condado. A outra alternativa é se esconder embaixo da cama. ”

Os educadores em Nova York e Pensilvânia com quem conversei relataram que os alunos cooperaram em relação ao uso de máscaras e ao cumprimento de outras regras de segurança. “As crianças são muito bem comportadas e estão animadas para estar na escola”, disse-me Sommers. Todos atribuíram à apreciação que os alunos sentem pela chance de aprender pessoalmente mais uma vez.

Um desses alunos agradecidos é Kirill Kilfoyle, aluno do último ano da Wellington C. Mepham High School em Bellmore, N.Y. Embora pudesse ter continuado no aprendizado à distância, ele disse que queria voltar para a escola, e seus pais concordaram.

A mãe de Kirill, Marla, ficou inicialmente assustada com a ideia de mandar seu filho de volta, mas decidiu que o distrito, em cujos líderes e professores ela confiava, se certificaria de que as medidas de segurança fossem seguidas.

“Meu filho está de volta ao trabalho desde julho e está usando uma máscara facial e entendendo e seguindo os protocolos de segurança que eu coloquei em prática”, disse ela. “Com o passar do tempo e o distrito começar a compartilhar os protocolos que planejam seguir, fiquei mais à vontade para mandá-lo de volta. Eu confio nos professores e no distrito. ”

Estar com amigos foi importante para Kirill, no entanto, ele baseou sua decisão principalmente em sua experiência de aprendizado remoto na primavera passada. “Não gosto de aprendizagem online”, disse ele. “Quando preciso, posso conseguir ajuda na aula. Quando estou em casa, é muito fácil me distrair. ” Embora ele tenha começado com uma programação híbrida, ele aproveitou a chance quando foi autorizado a voltar em tempo integral. “Estou tentando ter um dia normal.”

Cristi Tursi, diretora de ciências do Distrito Escolar de Long Beach, disse que escolheu mandar suas duas filhas de volta para a escola paroquial local em tempo integral. Ela me disse que fez isso apesar das “pontadas de medo e preocupação”. “Long Beach tem diretrizes para administradores distritais, mas ainda estarei em todas as escolas, então não fazia sentido manter meus próprios filhos em casa”, disse ela. “Somos uma família saudável. Temos confiança de que, se pegássemos o vírus, no final estaríamos bem ”.

Nem todo pai se sente tão seguro.

Existem diferenças entre os níveis de confiança dos pais entre os distritos, conforme refletido nas porcentagens de alunos que retornam. No distrito escolar central de Bellmore-Merrick, um distrito rico e predominantemente branco em Long Island, 93% dos alunos tomaram a mesma decisão que Kirill. Em Long Beach, onde 36 por cento dos alunos são negros ou latinos e 37 por cento de todos os alunos recebem almoço grátis ou a preço reduzido, 83 por cento decidiram voltar.

A Network for Public Education está acompanhando 37 distritos em Nova York, Pensilvânia e Connecticut que foram reabertos - híbridos ou em tempo integral. Dos 23 distritos que responderam ao nosso inquérito sobre alunos remotos, a taxa média de alunos que optaram por não comparecer pessoalmente foi de 21 por cento. As porcentagens variaram de 6% da população escolar a 50%. Porcentagens maiores de alunos negros estão associadas a taxas remotas mais altas.

O superintendente Joe Roy disse que tem examinado cuidadosamente os padrões de 25% dos alunos cujas famílias escolheram o ensino remoto em seu distrito em Bethlehem, Pensilvânia.

Em sua maioria, são alunos de famílias ricas que têm suporte acadêmico para aprender em casa ou, ao contrário, são das famílias menos ricas. As famílias dos estudantes negros de seu distrito, muitos dos quais trabalham em depósitos locais, foram atingidas mais duramente pela pandemia e, portanto, são mais reticentes em mandar seus filhos de volta à escola.

O distrito vizinho de Roy, Allentown, onde 86 por cento dos alunos são negros ou latinos, decidiu se tornar totalmente virtual depois que uma pesquisa com os pais mostrou que a maioria não estava pronta para o aprendizado pessoal. Um professor do ensino médio com quem conversei, que pediu anonimato, disse que espera que as escolas sejam abertas em breve. A tecnologia para aprendizagem remota tem sido um problema, ele me disse - desde o hardware até conexões ruins.

“Estamos perdendo crianças”, disse ele. “Nossa matrícula no jardim de infância é muito menor do que nos anos anteriores. De uma turma de 19, talvez 17 dos meus alunos façam logon na minha classe de manhã cedo. Quando os encontro no final do dia, 12 ou menos aparecem. Um dia de 6½ horas no Zoom é brutal. Alguns mantêm as câmeras desligadas e outros não respondem. Muitos dos meus alunos não conseguem trabalhar de forma independente. ”

Os desafios da aprendizagem presencial

Mais da metade dos 37 distritos que estamos acompanhando agora trazem alguns ou todos os alunos de volta em tempo integral. As escolas que usam o híbrido normalmente dividem os alunos em dois pequenos grupos que compartilham o mesmo professor. Alguns trazem essas coortes de volta três dias na semana e dois dias na semana seguinte. Outros trazem as coortes de volta apenas dois dias por semana - em dias consecutivos ou em dias escalonados com um quinto dia quando todos ficam em casa.

Embora aqueles com quem falei estejam felizes por estar de volta, a escola certamente não é a mesma de antes da pandemia.

Kirill said he finds it difficult to see through the plexiglass barrier surrounding his desk, and Cooper said he misses sitting and talking with his friends. Sommers told me how her first day of school jokes fell flat because her mask hid her facial expressions. Other teachers told me how tiring it was to speak while wearing a mask.

Teaching students on their at-home days is challenging as well. Some schools are live-streaming classes to students at home, while others provide instruction asynchronously via worksheets, videos and assignments.

Jenn Wolfe, the 2021 New York state teacher of the year, teaches social studies in Oceanside High School. She teaches students in class while streaming instruction to those at home — and it can be difficult, she said.

For one thing, she said, it takes time to get all students logged in, and Internet connections sometimes drop. And it is difficult to pay enough attention to students in the class while dealing with distracting noises or behaviors arising from students at home.

“For me, the time I have with kids in the class is golden and I want to maximize that time,” she said. Because her district permits teachers to alternate between streaming and asynchronous instruction, she said she plans to experiment with having students log in for a few moments and then move to asynchronous, posted instruction to see which is more effective.

Educator Christine Brown in neighboring Rockville Centre also described the difficulties of teaching in-person and remote students simultaneously. “The work would be easier if I were staying home and only teaching remotely,” she admitted. She described the experience of teaching in-person and remote as “plates spinning in the air.”

“Reaching the kids at home is especially hard,” she said. “Some are school-ready, sitting up and ready to work. Others have hoodies up, or they are in their bedrooms.”

Brown’s colleague, math teacher Mary Coleman, agreed. “It’s a lot. I use my iPad to take attendance, my desktop computer to project the lesson and my laptop to keep an eye on the kids at home,” she said. Nevertheless, Coleman said she likes the idea of streaming. “I am learning how to use breakout rooms for real and virtual learners to help them socialize and be a part of the class.”

Even with her best streaming efforts, however, her students find it more challenging when at home. Coleman asked her students for feedback on how it was going. “Two-thirds reported that on the days they are home learning virtually, it is harder to learn. It is harder to focus and more difficult to process new material,” she said. Coleman concluded that there is “something about that body-to-body connection that somehow helps learning.”

And then there is the question of the teacher’s willingness to make the remote student a part of the class. One Port Washington, N.Y., parent, who spoke with me on the condition of anonymity, chose full-time remote instruction for her elementary school son. He is streamed into a class in a district where teachers had strongly objected to cameras in the class. “I am not sure I made the right decision,” she said. “He is like a fly on the wall in his class.”

Streamed instruction raises additional complications. Teachers acknowledged the inhibiting effect of teaching when others in the household might listen in. As a social studies teacher, Wolfe would naturally include discussions of the presidential election as part of her classes. She said she now worries that the robust discussions and debates she usually includes might lead to parent complaints.

“Sensitive topics like the election require preestablishing class norms and relationships with students in order to build the skills necessary for living in a democracy,” Wolfe said. “As parents walk through rooms, however, they might hear something they do not agree with and mistake healthy debate for electioneering.”

Brown said that this past spring, a parent in the district where she lives recorded and posted a class on social media.

As a high school English teacher, she said she knows literature can bring up sensitive issues in class discussions. “I teach Romeo and Juliet. In many ways, it is a play about bad parenting. … It ends with teenage suicide. We grapple with young people who hate because they are taught by adults to hate. For adolescents, school is a safe place where they can freely express their ideas. That dynamic changes when parents are listening in.”

Still, the other option, asynchronous learning on at-home days, has its drawbacks as well.

Lori Rusack, a fifth-grade teacher in Pennsylvania, told me that she is thrilled to be back in the classroom.

“I felt I lost so many kids in the spring,” she said. “I am much happier to be with children. I like our workflow of every other day in person-instruction. We call those days onstage days. The difficulty occurs on the offstage days, when students must independently do the work. It is hard to get all of the assignments in.”

Rusack said there were haves and have-nots in terms of parental supervision and support, depending upon family resources and work. She has resorted to giving out certificates for hybrid heroes, even giving one boy a quarter every time he hands in his work.

Discussing the pros and cons of all of the hybrid models, Superintendent Roy commented, “none of this is our preferred model.” However, he believes that hybrid learning with small groups of students has helped the contact tracing needed in order to keep everyone safe.

What we know so far about safety

The Bethlehem Area School District, which opened in August, serves 13,600 students educated in 22 schools. Over half are Black or Latinx, and 60 percent receive free or reduced-price lunch. The district has a website that keeps the public up to date on coronavirus data. There have been 19 students or staff members who have tested positive, but no outbreaks in the schools.

The city of Bethlehem, which has its own health department, advises the superintendent how to proceed. Some cases require no action — such as second-shift workers who had no contact with others. In other cases, there has been contact tracing and small group quarantine.

So far, infections have resulted from activities outside the school, including carpools, flag football and a Bible study class. “Because we know that the cases are not coming from in-school spread, we can quarantine small groups but not shut down,” Roy said.

To date, we have not seen reports of in-school spread in any of the districts we are following. While some have experienced cases of covid-19 that resulted in short closures for contact tracing and cleaning, most cases have resulted in small group quarantine. All of the schools we are following require students and staff to wear masks.

That, however, is not always the case. A southern Illinois teacher, who asked to remain anonymous, told me of the absolute terror she feels each day because some of her colleagues are casual about wearing their masks and even allow students to take them off, despite a state mandate that masks must be worn except when students are eating or playing an instrument. “I teach in Trump country,” she said. “Some teachers don’t think masks are needed.”

Red states can be especially problematic. In Florida, there is no state mandate for masks. Other Republican-led states, however, are more responsible when it comes to safety measures. Despite pushback from the state’s attorney general, masks in schools were mandated in the state of Louisiana by the Democratic governor, John Bel Edwards.

That mandate makes all the difference to teacher Mercedes Schneider. “I teach in a red state with a blue governor, and let me tell you, the presence of that blue governor has given me confidence that I would not be sacrificed to a politically rushed return to a packed classroom of non-masked high school students,” she said. “Three weeks in, both mask-wearing and hybrid-schedule-enabled social distancing have been critical factors in stabilizing our in-person learning at my school.”

Despite all of the challenges of teaching in the time of covid-19, teachers found some silver linings. Tamara Sommers said she believes that many families are now more involved. Fifth-grade teacher Lori Rusack told me she enjoys working with some of the new technology options she now has.

Thom Hessel hopes there will be long-term benefits for children. “Maybe it’s building a level of resilience in kids. Perhaps they will have a greater appreciation of everything they have when this is over.”

And Jenn Wolfe said she saw long-term benefits for teachers as well. “Everyone has to rethink their teaching,” she said. “Old lesson plans are out the window. There is much more talk about instruction, and teacher-to-teacher collaboration has become the norm in the faculty room. We are constantly reevaluating what we do and how we do it and then enhancing what we do.”

Forty-year veteran teacher Mary Coleman could have applied for a medical exemption but declined. For her, coming back was itself the silver lining.

“With masks, social distancing, staggered class dismissal and hand sanitizer in class, I feel very safe, safer than in some other places I have been,” she said. “Frankly, I needed to be back for my own psyche. I need the kids as much as they need me.”


First-Day-of-School Surveys: Get to Know Students

Faced with a sea of fresh faces each fall, teachers need to be able to get to know their new students quickly. Break the ice with the following back-to-school questionnaires created or recommended by EducationWorld.

With these tools, educators can start building a positive classroom climate on day one. Student surveys get teachers up to speed quickly regarding young people’s learning preferences, strengths and needs. Questionnaires also can provide a sense of students as individuals.

Use or adapt the survey questions below to suit your grade-level and classroom needs:

Lower Grades

  • Elementary-level students can complete a Student Profile Form Template with help from their parents or guardians.
  • Perfect for the primary grades, the My Favorite Things worksheet can be filled out by younger learners.

Upper Grades

  • EducationWorld’s 10-question Back-to-School Survey is great for students in grades 3-8.
  • The two surveys below, from I Want to Teach Forever’s Tom DeRosa, were created for an algebra class but can be adapted for other high-school classes:
  • From California State University Science Education Professor Norman Herr, this student questionnaire could be adapted for all grades.
  • See pages 30-38 of Macomb (MI) Intermediate School District’s New Teacher Academy Handbook [archived version] for elementary-, middle- and high-school surveys.
  • Prefer a conversation/class discussion to a survey? See Suite 101’s First Day of School Introduction Activities [archived version]. These conversation-starters can be adapted for various grades.

Article by Celine Provini, EducationWorld Editor
Education World®
Copyright © 2013, 2017 Education World


Best Baked Goods: Milk Bar

You don't have to live by Christina Tosi's Milk Bar to delight in one of her outrageous treats—you can just ship them across the country! Known for their "birthday cake" flavored treats as well as their highly addictive Milk Bar Pie, these sweet treats and baking mixes are sure to brighten anyone's day. All of the sweets arrive in a cute gift box, too.


Conteúdo

The definition of traditional education varies greatly with geography and by historical period.

The primary purpose of traditional education is to transmit to a next generation those skills, facts, and standards of moral and social conduct that adults consider to be necessary for the next generation's material and social success. [2] As beneficiaries of this plan, which educational progressivist John Dewey described as being "imposed from above and from outside", the students are expected to docilely and obediently receive and believe these fixed answers. Teachers are the instruments by which this knowledge is communicated and these standards of behaviour are enforced. [2]

Historically, the primary educational technique of traditional education was simple oral recitation: [1] In a typical approach, students sat quietly at their places and listened to one student after another recite his or her lesson, until each had been called upon. The teacher's primary activity was assigning and listening to these recitations students studied and memorized the assignments at home. A test or oral examination might be given at the end of a unit, and the process, which was called "assignment–study–recitation–test", was repeated. In addition to its overemphasis on verbal answers, reliance on rote memorisation (memorization with no effort at understanding the meaning), and disconnected, unrelated assignments, it was also an extremely inefficient use of students' and teachers' time. [ according to whom? ] This traditional approach also insisted that all students be taught the same materials at the same point students that did not learn quickly enough failed, rather than being allowed to succeed at their natural speeds. This approach, which had been imported from Europe, dominated American education until the end of the 19th century, when the education reform movement imported progressive education techniques from Europe. [1]

Traditional education is associated with much stronger elements of coercion than seems acceptable now in most cultures. [ citação necessária ] It has sometimes included: the use of corporal punishment to maintain classroom discipline or punish errors inculcating the dominant religion and language separating students according to gender, race, and social class, [ citação necessária ] as well as teaching different subjects to girls and boys. In terms of curriculum there was and still is a high level of attention paid to time-honoured academic knowledge.

In the present [ quando? ] it varies enormously from culture to culture, but still tends to be characterised by a much higher level of coercion than alternative education. Traditional schooling in Britain and its possessions and former colonies tends to follow the English Public School style of strictly enforced uniforms and a militaristic style of discipline. This can be contrasted with South African, US and Australian schools, which can have a much higher tolerance for spontaneous student-to-teacher communication. [ citação necessária ]

    and lectures
  • Students learn through listening and observation [4]
  • Hands-on activities
  • Student-led discovery
  • Group activities

Little connection between topics [3]

Focus on independent learning. Socialising largely discouraged except for extracurricular activities and teamwork-based projects.

  • A single, unified curriculum for all students, regardless of ability or interest.
  • Diverse class offerings without tracking, so that students receive a custom-tailored education.
  • Regarding the school-to-work transition, academically weak students must take some advanced classes, while the college-bound may have to spend half-days job shadowing at local businesses.

Students choose (or are encouraged to choose) different kinds of classes according to their perceived abilities or career plans.

Decisions made early in education may preclude changes later, as a student on a vo-tech track may not have completed necessary prerequisite classes to switch to a university-preparation program.

  • Presentation and testing methods favour students who have prior exposure to the material or exposure in multiple contexts.
  • Requirements to study or memorise outside school inadvertently tests homes, not students.
  • Students from homes where tested subjects are used in common conversation, or homes where students are routinely given individual help to gain context beyond memorisation, score on tests at significantly higher levels.
  • Context learning integrates personal knowledge within the school environment.
  • Individualised expectations simplifies individual supports and keeps focus student-based.
  • Community study settings include multiple cultures and expose all students to diversity.
Topic Traditional approach Alternative approaches
Communicating with parents A few numbers, letters, or words are used to summarise overall achievement in each class. Marks may be assigned according to objective individual performance (usually the number of correct answers) or compared to other students (best students get the best grades, worst students get poor grades).

A passing grade may or may not signify mastery: a failing student may know the material but not complete homework assignments, and a passing student may turn in all homework but still not understand the material.


Assista o vídeo: A escola após a pandemia - como conduzir o retorno às aulas (Novembro 2021).