Novas receitas

Combinações de vinho: o que devo beber com camarão scampi?

Combinações de vinho: o que devo beber com camarão scampi?

Imagine isto: um dia quente de primavera, pisco-de-peito-ruivo cantando, junquilhos, snapdragons, bacopas, zínias, verbenas e petúnias em plena floração sob um céu incrivelmente azul, sem nuvens e impossivelmente ensolarado. O que poderia completar esta imagem? Se você estava pensando em um prato saudável e delicioso de Camarão e Brócolis Scampi, estamos na mesma página. E para complementar essa suculenta entrada, você precisará de uma refrescante garrafa de vinho branco. Para o emparelhamento perfeito, viajamos para os extremos opostos da Itália - a ilha ensolarada da Sardenha, no sudoeste, onde a família Argiolas revolucionou o vinho desde o início do século 20, e para Fruili, no noroeste, uma área predominantemente considerado o produtor do auge dos brancos italianos - para trazer a você dois dos nossos favoritos. --MILÍMETROS

Comer de forma saudável ainda deve ser delicioso.

Assine nosso boletim diário para mais artigos excelentes e receitas saborosas e saudáveis.

Um branco claro e secoVinho branco firme e vigoroso contrasta com camarões tenros enquanto corta sua riqueza com uma acidez crocante. Pinot grigio da Itália é ótimo com scampi, que tem tanto a riqueza da manteiga quanto a pungência do alho e suco de limão. Um pinot grigio totalmente seco vai combinar com o prato em ambas as frentes. Scarpetta Pinto Grigio, Itália, 2012 ($ 14)

Um rico, mineralmente brancoVinho branco de médio a encorpado resiste ao molho e ao camarão. Experimente o vermentino, um dos brancos mais atraentes da Itália, com textura e sabor ricos. Também é crocante, cítrico e mineral, o que refresca o paladar após cada mordida. Argiolas Vermentino di Sardegna, Sardenha, Itália, 2012 ($ 11)

Ops!Evite o branco com carvalho, como a maioria dos chardonnays, pois a doçura da baunilha entra em conflito com o alho. Quase qualquer vermelho colidirá também. - Seleções de vinhos por Jordan Mackay


The Beer Wench

Há algum tempo, desejo dividir minhas postagens em 5 temas diferentes:

  1. Beba com a moça (degustações e avaliações)
  2. Cook With The Wench (receitas com cerveja & # 8211 que criei para mim e outras pessoas)
  3. Viagem com a moça (passeios na cervejaria, aventuras em bares etc.)
  4. Brew With The Wench (cerveja caseira e cerveja convidada & # 8211 esta categoria ainda está em beta)
  5. The Wench -Uncensored (o nome está em beta, esta é a seção em que detalharei minhas paixões não relacionadas à cerveja, porém bebidas, como vinho, uísque e charutos)

Esta noite marca meu primeiro post no Cook With The Wench. E já estava na hora. Quem me conhece bem sabe que sou um demônio na cozinha. Amo comida, adoro cozinhar & # 8211 e posso comer praticamente qualquer pessoa que eu encontrar (pergunte ao meu amigo Matt de Um Bom Tempo Com Vinho).

Originalmente, eu queria fazer mexilhões com molho de cerveja. Nem uma única loja (incluindo um mercado de frutos do mar) tinha mexilhões frescos & # 8230, então eu riscou o plano e fui com o que estou chamando The Wench & # 8217s Drunken Shrimp Scampi.

A melhor parte sobre cozinhar é que não há ciência para tornar os alimentos saborosos.

Contanto que você tenha ingredientes de qualidade e os trate com o respeito que eles merecem & # 8211, o resultado final é quase sempre agradável. Mas, novamente, tenho como certo o fato de que tenho muito conhecimento sobre comida, ingredientes, ervas, combinações clássicas e técnicas culinárias. Apesar disso, ainda acredito que qualquer um pode ser um mago na cozinha.

Então vamos à minha receita, hein? Oh, mas espere. Eu preciso de um aviso de isenção.

AVISO: Este não é o camarão scampi da sua mãe. Na verdade, é provavelmente diferente de qualquer camarão-scampi que você já teve na vida. Muitos chefs provavelmente irão & # 8220pitar na minha direção geral & # 8221 (nota: referência do Monty Python). Esta receita não é para quem tem coração fraco ou paladar. Não senhor. The Wench & # 8217s Drunken Shrimp Scampi é para hopheads & # 8230 e aqueles que não gostam de lúpulo devem ficar muito, muito longe. A receita é ousada, amarga e insultuosa & # 8230, mas ainda assim aventureira e deliciosamente satisfatória.

THE WENCH & # 8217S Bêbado SHRIMP SCAMPI
Apresentando Dogfish Head 60 min IPA

INGREDIENTES
1 quilo de camarão fresco grande & # 8211 do tipo que você quiser & # 8211 sem casca, eviscerado e deve ser ampliado
1/2 vara de MANTEIGA sem sal (manteiga de verdade, seus maricas)
1/4 c. Azeite Extra Virgem
4 dentes de alho & # 8211 picados, fatiados ou picados de preferência
1/4 de cebola amarela e # 8211 cortada em cubos
3 (empresa) Tomate Roma
Suco de um limão
Salsa de folhas planas & # 8211 finamente picada
2 12 onças. garrafas de Dogfish Head 60 Minute IPA
Sal e pimenta a gosto
Pimenta vermelha triturada (se você é como eu e precisa chutar TUDO para cima um entalhe)
Um pedaço de pão fresco cozido

INSTRUÇÕES

A primeira instrução é vital. Deve ser seguido EXATAMENTE como está escrito ou toda a receita é um grande FALHA.

  1. Abra a primeira garrafa de Dogfish Head 60 min IPA. Despeje em um snifer de conhaque, copo de tulipa & # 8230 oh inferno & # 8230 despeje em um maldito copo e tome um longo gole. Ahhhh. Isso não é bom? Achei que sim & # 8230, mas não fique mole comigo agora. Ainda há trabalho a fazer aqui.
  2. Encha um pote super grande & # 8211 quanto maior, melhor & # 8211 com água. Salgue a água. Leve ao lume e leve ao lume. Enquanto espera, você pode:
    1. Descasque, goteje e retire as veias do camarão
    2. Pique o alho, pique a cebola e corte os tomates em cubos
    3. Continue bebendo o IPA de 60 minutos enquanto observa seus familiares e / ou amigos completarem as tarefas anteriores.

    Em algum lugar neste processo, você ou seu subchefe (aka & # 8211 criança, amigo, cara aleatório fora da rua) terá picado a folha plana. Este, meu amigo, é o momento oportuno de adicionar a salsa à mistura de camarão da cerveja com manteiga de alho. Jogue o macarrão na frigideira com todos os outros ingredientes e & # 8230.

    VIOLA! Aí está & # 8230 The Wench & # 8217s Drunken Shrimp Scampi. Não se esqueça de misturar com um pouco de pão fresco (pão de alho, se você se sentir ambicioso). E eu ficaria totalmente insultado se você não combinasse este prato com uma cerveja & # 8211, de preferência a Dogfish Head 60 Minute IPA. Mas eu não ficaria insultado se você o combinasse com um igualmente delicioso IPA & # 8230 ou cerveja artesanal de algum tipo.

    NOTA: Se você NÃO gosta de beber IPAs, também não gostará de cozinhar com eles. Este prato definitivamente tem uma MORDIDA. Não sugiro usar o DFH 60 minutos IPA a menos que você ame o sabor da cerveja, caso contrário, a refeição será um desastre. Sinta-se à vontade para substituir o IPA por sua cerveja favorita & # 8211, sugiro uma Hefeweizen ou uma cerveja branca de estilo belga.


    Harmonização de alimentos com vinho branco seco

    • Queijo fresco
    • Peixe Branco Com Limão
    • Marisco
    • Chardonnay e camarão camarão
    • Refeições Asiáticas Picantes
    • Molhos Cremosos
    • Queijo Macarrão e Riesling Seco
    • Molhos para Massas Picantes
    • Torta de Maçã e um Gewürztraminer
    • Molhos à base de feijão ou lentilha
    • Ovos cozidos
    • Frango com manteiga com chardonnay
    • Legumes em Conserva
    • Curry Verde Tailandês e Sauvignon Blanc
    • Peach Cobbler and Riesling
    • Lemon Bars e Oaked Chardonnay
    • Nova Zelândia Sauvignon Blanc e Chocolate Branco
    • Pratos Light de Frango
    • Tacos de Peixe Frito com Riesling Seco
    • Sauvignon Blanc e Abacates

    Antes de nos aprofundarmos nas combinações de comida e vinho, é importante falar um pouco sobre o vinho em si. O termo seco às vezes é mal utilizado, mas não é difícil de entender. Simplesmente se refere a um vinho que não é doce. Este tipo de vinho não contém açúcar residual das uvas.

    O vinho é criado usando um processo de fermentação mais longo do que você vê com um vinho mais doce. O tempo de fermentação extra dá ao fermento mais tempo para se alimentar do açúcar das uvas e ajuda a garantir que não haja muito açúcar restante. Os vinhos secos ainda podem ter características frutadas, mas também tendem a ser crocantes e não são nada doces.

    Pinot gris, pinot grigio, chardonnay, riesling e sauvignon blanc são alguns dos exemplos clássicos de vinhos brancos secos. Exemplos um pouco menos comuns incluem viognier, muscadet, pinot blanc e torrontés. Sauvignon blanc e chardonnay são frequentemente considerados dois dos tipos mais secos de vinho branco, enquanto vinhos como pinot gris, pinot grigio e riesling estão no lado mais doce de serem secos.

    Essas diferenças de doçura às vezes são relevantes para o seu vinho. Às vezes, você vai querer que o vinho branco esteja o mais seco possível, enquanto outras vezes, um vinho como pinot grigio ou riesling pode ser uma opção melhor.

    Lembre-se também de que vinhos do mesmo tipo podem ser bem diferentes uns dos outros. Por exemplo, sauvignon blanc é geralmente feito como um vinho branco seco. No entanto, existem tipos onde você o verá em um estilo meio seco ou como um vinho espumante.

    Queijo fresco

    Os tipos de queijo desta categoria tendem a ter passado muito pouco tempo, são geralmente macios e têm um sabor relativamente suave. Queijo mussarela, queijo de cabra mole, feta e ricota são exemplos clássicos deste tipo de queijo.

    Os sabores sutis desses queijos significam que você precisa de um vinho branco jovem, seco e frutado para complementar o queijo sem sobrecarregá-lo. Sauvignon blanc e chardonnay jovem são comumente recomendados.

    Se você está se concentrando em um queijo fresco salgado, como o feta, um branco ligeiramente menos seco pode ser mais atraente, como um riesling ou talvez um gewürztraminer

    Peixe Branco Com Limão

    Vinhos secos e crocantes como o sauvignon blanc são a escolha ideal para acompanhar peixes brancos. Afinal, o peixe geralmente tem um sabor relativamente suave que poderia ser facilmente subjugado pelo vinho. A escolha de um vinho leve ajuda a garantir que os sabores do peixe ainda brilhem.

    Incluir um fiozinho de suco de limão eleva esta combinação de alimentos para o próximo nível, pois você acaba com um equilíbrio leve e brilhante de sabores em sua refeição e seu vinho.

    Você também pode se concentrar em vinhos brancos que são ligeiramente mais picantes ou oferecem um pouco de doçura, como um pinot grigio. O perfil de sabor aqui pode fazer o peixe se destacar ainda mais.

    Você não está limitado a servir peixe sozinho. Muitas receitas à base de peixe combinam bem com vinho branco seco, incluindo opções como tacos de peixe.

    Marisco

    O perfil de sabor dos crustáceos combina bem com a maioria dos vinhos brancos secos. Escolher um branco frutado, como o pinot gris, é ainda melhor do que um vinho não frutado. Isso proporciona um delicioso equilíbrio de sabores.

    Por falar nisso, os vinhos brancos frutados combinam bem com qualquer tipo de comida delicadamente saborosa. Você acaba com alguns sabores interessantes do vinho, mas não o suficiente para sobrecarregar a comida.

    Chardonnay e camarão camarão

    Aqui está um exemplo divertido de como usar um branco seco com marisco. O camarão scampi é um prato de massa amanteigada que ganha um pouco de sabor com o molho e o resto com o camarão. Chardonnay é uma combinação perfeita para ambos os aspectos do prato, ajudando a destacar a cremosidade da refeição sem sobrecarregar nenhum dos sabores.

    Você pode até escolher um Borgonha branco, que é um tipo específico de chardonnay que vem da região da Borgonha, na França. O Borgonha branco costuma ser considerado o melhor tipo de chardonnay, então, depois de experimentá-lo, talvez você não queira mais voltar.

    Refeições Asiáticas Picantes

    Os brancos secos não se limitam a alimentos sutis. O vinho branco certo também pode ser usado para complementar refeições picantes, incluindo pratos asiáticos.

    O truque aqui é procurar vinhos que tenham notas picantes ou ácidas. Isso inclui exemplos como viognier, gewürztraminer e riesling. Pode parecer surpreendente, mas o vinho branco não se afoga neste tipo de combinação. Em vez disso, a acidez tende a cortar alguns dos sabores fortes da refeição, criando um contraste interessante.

    Molhos Cremosos

    Chardonnay é frequentemente recomendado como o vinho de escolha quando você está servindo um molho cremoso. Inclui pratos de massa em que o molho é uma das principais características da refeição.

    Chardonnay funciona bem neste contexto porque tem algumas notas de sabor amanteigado. Então, por exemplo, você pode servir chardonnay com um fettuccine alfredo. Com esta combinação, o vinho complementa os sabores e a cremosidade do prato, mas também oferece acidez suficiente para cortar um pouco das natas do prato. A acidez é importante, pois ajuda a que sua refeição não pareça muito rica.

    Na verdade, o chardonnay é a escolha perfeita para qualquer prato de massa cremosa, especialmente aquele que é carregado com queijo.

    Queijo Macarrão e Riesling Seco

    Se você quiser uma combinação de alimentos mais incomum, experimente servir macarrão com queijo riesling seco. Essa combinação não é comum, já que a maioria das pessoas recomenda o uso de um pinot noir suave ou chardonnay com queijo macarrão. E, como mencionamos anteriormente, os tons amanteigados do chardonnay o tornam uma escolha fácil para a maioria dos pratos de massa cremosa.

    Um riesling seco, por outro lado, não complementa a cremosidade do macarrão com queijo da mesma forma que o seu chardonnay. Em vez disso, a crocância do riesling fornece um forte contraste, muito parecido com um lanche refrescante ao mesmo tempo que faz uma refeição cremosa.

    Embora essa ideia possa parecer estranha, certamente vale a pena tentar por si mesmo. Algumas combinações de vinhos dependem do contraste entre o vinho e a comida. Eles geralmente acabam criando uma refeição muito mais interessante no processo.

    Molhos para Massas Picantes

    Os pratos de massa que contam com um molho forte ou picante, como a puttanesca e a arrabbiata, combinam muito bem com vinhos brancos secos e agudos. A nitidez do vinho é importante aqui, pois é isso que contrasta com o apimentado do molho de macarrão.

    Não se preocupe, o vinho não vai sobrecarregar o molho (ou vice-versa). Em vez disso, o contraste só é forte o suficiente para criar um equilíbrio interessante de sabores para sua refeição.

    Torta de Maçã e um Gewürztraminer

    Gewürztraminer ainda é considerado um vinho branco seco, embora seja um pouco mais doce do que seus equivalentes. Um dos motivos é que o vinho é altamente aromático, o que o torna mais doce do que realmente é. Gewürztraminer também é conhecido por ter um delicioso equilíbrio entre sabores de frutas e especiarias.

    É por esse equilíbrio que o gewürztraminer funciona tão bem com torta de maçã. Afinal, a torta de maçã tende a combinar frutas e temperos também. Você deve ter pelo menos um pouco de canela presente. Muitas receitas de torta de maçã também contêm outros temperos.

    Ter um equilíbrio semelhante de especiarias e frutas no vinho e na refeição é simplesmente excelente. Criar esse tipo de paralelo entre comida e vinho pode criar uma combinação imbatível.

    Molhos à base de feijão ou lentilha

    Às vezes, você verá feijões ou lentilhas usados ​​como parte de um molho de macarrão. Para este tipo de refeição, um vinho tinto toscano como o Chianti é uma escolha fácil e deliciosa.

    Vinhos brancos também são ocasionalmente recomendados, incluindo um chardonnay seco, especialmente um parcialmente carvalho. As melhores opções virão da Côte d'Or, na França, embora você possa precisar se contentar com algo local.

    Ovos cozidos

    A combinação de comida e vinho nem sempre se concentra em grandes refeições. Petiscos, como ovos cozidos, também podem se beneficiar com o vinho certo.

    Você pode fazer ovos cozidos de inúmeras maneiras diferentes. Algumas receitas seguem abordagens tradicionais e o sabor do ovo costuma brilhar. Outros são mais complexos, talvez contando com especiarias diferentes ou ingredientes com sabores como o bacon.

    Independentemente da receita que você escolher, um vinho branco seco tende a ser sua melhor escolha com os ovos. Dessa forma, você está dando aos sabores da sua comida muitas chances de brilhar.

    Um prosecco seco é uma escolha especialmente boa. Dessa forma, você não está apenas obtendo o contraste entre a riqueza do ovo e a vibração do vinho, mas também obtém bolhas.

    O Prosecco também combina bem com outros petiscos, especialmente aqueles que foram fritos. Isso torna o vinho a escolha ideal se você estiver hospedando algum tipo de evento.

    Frango com manteiga com chardonnay

    Combinar chardonnay com frango com manteiga mostra como o vinho é versátil. Chardonnay tem corpo, ácido e profundidade de sabor suficientes para resistir bem ao frango com manteiga, complementando os sabores do curry sem ser oprimido.

    Usar um vinho branco seco como chardonnay com frango com manteiga também é útil porque pratos ricos às vezes podem ser opressores. A nitidez de um vinho seco pode ajudar a limpar o paladar e tornar a refeição mais equilibrada.

    Legumes em Conserva

    Vegetais em conserva tendem a limpar o paladar, o que significa que o vinho que você escolhe não importa tanto quanto com outros alimentos. Ainda assim, se você vai servir vinho com vegetais em conserva, um vinho branco seco é a escolha ideal.

    Este tipo de vinho acaba por promover ainda mais o aspecto de limpeza do paladar dos vegetais.

    Procure um vinho branco com uma quantidade decente de ácido. Um sauvignon blanc é uma escolha fácil aqui, especialmente porque existem alguns sabores de ervas presentes. Você também pode procurar um riesling.

    Curry Verde Tailandês e Sauvignon Blanc

    O curry verde tailandês funciona bem com vários vinhos brancos, incluindo pinot gris e riesling seco. Em ambos os casos, a ligeira doçura do vinho combina bem com o picante do caril, proporcionando um contraste agradável.

    O Sauvignon blanc pode ser uma escolha ainda melhor. Isso não oferece a mesma doçura que as outras opções, mas você costuma obter algumas notas de sabor de ervilha, especialmente se você se concentrar no sauvignon blanc da Nova Zelândia ou do Chile.

    Torta de Pêssego e Riesling

    Sobremesas doces parecem que devem ser combinadas com vinho doce, mas isso nem sempre é verdade. Um vinho seco muitas vezes pode funcionar muito melhor, pois você obtém um contraste fantástico entre a sobremesa e o vinho.

    Neste caso, sugerimos servir torta de pêssego com riesling seco. Estamos nos concentrando no riesling porque o vinho geralmente contém sabores de maçã verde e frutas cítricas, que funcionam bem com a doçura de sua torta de pêssego.

    A acidez do riesling também é importante aqui, pois é mais uma forma de o vinho contrastar com a sobremesa. Se você puder, procure um riesling alemão. Este tipo de riesling tende a apresentar tons mais terrosos. Eles funcionam bem com a crosta de seu torta de pêssego.

    Lemon Bars e Oaked Chardonnay

    Já que estamos no assunto de sobremesas, barras de limão são outra opção que combina bem com vinho branco seco. Desta vez, o chardonnay é o tipo ideal de vinho para experimentar, especialmente se você estiver escolhendo um chardonnay de carvalho. O envelhecimento do chardonnay em carvalho fornece uma camada de riqueza cremosa que é incomum no vinho branco.

    As barras de limão, por outro lado, tendem a ter um sabor fresco e picante do limão, enquanto a crosta proporciona riqueza e tons amanteigados. Esse contraste é atraente e o chardonnay simplesmente o compara.

    Nova Zelândia Sauvignon Blanc e Chocolate Branco

    Combinar vinho e chocolate é um campo próprio. Cobrimos o tópico em detalhes como parte de uma postagem sobre a combinação de vinho e chocolate, mas esta combinação em particular é boa demais para deixar passar.

    Escolher um sauvignon blanc da Nova Zelândia é importante aqui, já que o sauvignon blanc da Nova Zelândia tende a ser mais frutado e tem sabores de maracujá mais fortes do que o sauvignon blanc de outras partes do mundo.

    O aumento do sabor frutado é importante, pois adiciona uma camada totalmente nova de sabor ao chocolate branco, sem sobrecarregar o sabor do chocolate em nada. Honestamente, é como se você acabasse com uma sobremesa totalmente diferente.

    Pratos Light de Frango

    É fácil ver por que o frango é tradicionalmente combinado com vinho branco. Afinal, os pratos de frango costumam ter sabores sutis e são frescos, então o vinho branco os complementa bem sem sobrecarregá-los. Isso é particularmente verdadeiro se você estiver se concentrando em peitos de frango sem pele, pois eles têm baixo teor de gordura.

    A combinação também não se aplica apenas ao frango. Outras refeições leves que dependem de frango também podem ser acompanhadas com vinho branco. Canja de macarrão e uma salada com frango escalfado são exemplos onde o vinho branco será perfeito. Você provavelmente pode pensar em muitos outros também.

    Um sauvignon blanc crocante é um dos melhores vinhos brancos para se confiar aqui. Não há risco de que o vinho oprima o frango e o vinho ainda contenha notas herbáceas complementares.

    Tacos de Peixe Frito com Riesling Seco

    Vinho branco seco é comumente combinado com peixe de qualquer maneira, então servir um riesling seco com tacos de peixe fritos não deve ser muito surpreendente. Focar em um riesling seco é importante aqui, já que uma versão excessivamente doce não vai complementar um taco de peixe bem.

    Também há outra vantagem. Um riesling seco tende a ser uma escolha crocante, por isso contrasta bem com alimentos fritos. Freqüentemente, haverá também alguns tons cítricos. Estes complementam naturalmente o peixe, tal como um sumo de limão ou de lima.

    Sauvignon Blanc e Abacates

    Os tons herbáceos do sauvignon blanc o tornam uma escolha natural para muitos pratos vegetarianos, junto com outras refeições focadas em ervas. As mesmas qualidades tornam o sauvignon blanc uma escolha natural para abacates.

    O vinho acaba combinando bem com a maioria dos pratos à base de abacate, como guacamole e torrada de abacate. O que poderia ser melhor do que servir um copo de sauvignon blanc crocante com torrada de abacate?


    Os melhores vinhos e frutos do mar

    Hoje, estamos melhorando. Pegue a taça e abra a rolha. É hora de falar sobre por que vinho e frutos do mar fazem uma combinação tão boa - e como fazer isso da maneira certa.

    Aqui está o que você deve beber dependendo da sua refeição de frutos do mar.

    Champanhe + Frutos do Mar Fritos

    Pode parecer uma mistura estranha de símbolos de status, mas a leveza borbulhante do champanhe elimina o peso dos alimentos fritos perfeitamente. Opte por uma taça de vinho espumante se estiver apreciando camarão frito em tempura ou peixe com batatas fritas.

    Pinot Grigio + Halibute Assado

    Em geral, vinho branco e peixe branco são uma combinação perfeita - e um belo pinot grigio e linguado assado não são exceção. Particularmente se você optou por um método de preparação simples (pense: azeite, ervas e limão), o sabor frutado deste vinho branco favorito dos fãs realçará todos os sabores do seu peixe.

    Sauvignon Blanc + camarão camarão

    Alho e sauvignon blanc são uma combinação perfeita, o que os torna o vinho perfeito para acompanhar seu camarão scampi com todas as suas delícias amanteigadas de alho. Você pode até beber uma taça do mesmo vinho que usa para fazer o molho - não vamos contar.

    Chardonnay + pernas de caranguejo

    Um vinho branco ligeiramente mais encorpado, o chardonnay é uma ótima escolha para frutos do mar mais ricos, como pernas de caranguejo. Como o chardonnay é um vinho seco, ele combina muito bem com o sabor rico da carne de caranguejo - só não se esqueça de colocar os dedos mínimos para cima quando estiver quebrando a garra.

    Pinot Noir + Salmão

    Embora muitos vinhos brancos funcionem muito bem com salmão, este peixe mais gordo também resiste bem a um tinto mais claro, como um pinot noir. Porém, tome nota: este emparelhamento funciona ainda melhor quando o salmão é combinado com um perfil de sabor mais forte ou molho. Pense em molho cremoso, pesto ou mesmo algo à base de tomate.

    Com essas combinações em mente, você pode servir um copo com confiança. Agora vamos nos apressar e começar a cozinhar. Toda essa conversa sobre beber e comer nos deixa com fome ...


    Noções básicas de emparelhamento de vinho de massa.

    Combustíveis de frutos do mar

    Um dos pratos de massa mais saborosos e simples é o camarão scampi. Este prato ganha vida com vinhos brancos picantes e crocantes como Pinot Grigio ou Chardonnay resfriado.

    Salmão, pode ser uma ótima combinação com os sabores de frutas vermelhas e defumados de Pinot Noir Salmão levemente cozido com sabores delicados, mais adequado para vinhos mais leves como Rosé, ou um bom branco resfriado.

    Combinações de vinho com molho de tomate e macarrão

    O estilo de massa mais popular é com molho de tomate. A combinação de tomates com ingredientes enriquecedores como manjericão, azeite de oliva extra virgem, queijo parmesão e alho fornecem a paleta perfeita para combinar com vinhos tintos aromáticos ou vinhos brancos secos crocantes como Chardonnay Unoaked, Sauvignon Blanc Pinot Grigio e Riesling.

    O ácido do tomate vai muito bem com vinhos ligeiramente picantes. Certifique-se de evitar tintos grandes e maduros como Barossa Shiraz ou McLaren Vale Cabernet Sauvignon. O ácido do molho pode deixá-los com um sabor desagradável.


    Combinações de vinho branco francês de verão

    Lembre-se dos dias de churrascos de verão e reuniões ao ar livre? Este ano, mais do que nunca, a saudade é real. Todos nós desejamos normalidade e, se você for como eu, uma taça de vinho branco francês gelado em um dia quente de verão parece o tipo perfeito de normalidade. Aqui estão cinco clássicos brancos franceses de verão, juntamente com algumas deliciosas ideias de emparelhamento de comida para fazer este verão parecer os bons velhos tempos de 2019. Divirta-se!

    Sauvignon Blanc

    Sauvignon Blanc é um vinho refrescante, frutado e à base de ervas, perfeito para o verão. Na França, o Sauvignon Blanc é cultivado principalmente no Vale do Loire, com uma pequena parte vindo de Bordeaux. No Vale do Loire, o Sauvignon Blanc é quase sempre produzido como um vinho monovarietal, enquanto em Bordeaux, é frequentemente misturado com Semillon ou Muscadelle. No vale mais frio do Loire, os sabores do Sauvignon Blanc são mais herbais e verdes. Isso se deve a um composto aromático denominado metoxipirazinas, responsável pelos cheiros vegetais ou de pimenta verde do vinho. Além disso, com temperaturas mais frias vem uma acidez maior, já que as uvas não têm tanto calor e luz solar para desenvolver açúcares (ou seja, para amadurecer). Em Bordeaux, onde as temperaturas do verão podem ser bastante altas, o perfil aromático do Sauvignon Blanc tende a ser impulsionado por notas de frutas tropicais como maracujá, toranja e abacaxi. Isso porque, à medida que os bagos amadurecem mais, eles perdem aquele caráter verde e herbáceo para dar lugar a outros aromas varietais mais frutados. Além disso, o Sauvignon Blanc de Bordeaux tende a ser mais alto em ABV (cerca de 12-13%) do que do Loire (cerca de 10-12%), uma vez que as uvas maduras contêm mais açúcares que serão convertidos em álcool.

    Combinações de comida

    Peixe branco esfregado com ervas e aspargos grelhados

    Com seus sabores crocantes de ervas, o Sauvignon Blanc do Vale do Loire combina bem com peixes brancos como bacalhau ou tilápia. Cubra o peixe com pimenta-limão ou esfregue com endro antes de cozinhá-lo para um emparelhamento ainda melhor. Os aspargos grelhados completam a refeição com um crocante verde.

    Espetos de cordeiro grelhados com tzatziki de pepino com hortelã

    O borrego grelhado e os rabanetes são enriquecidos com o fresco tzatziki de pepino e hortelã para uma refeição perfeitamente equilibrada. Para um toque de calor, adicione uma mistura de pimenta caiena ao cordeiro antes de ir para a grelha. Este prato, com seu molho tzatziki de ervas, é perfeito para combinar com Sauvignon Blanc.

    Riesling tende a ter uma má reputação por ser doce, mas na verdade, a maioria dos Rieslings franceses são secos! Esta uva é plantada na Alsácia, a pequena região vinícola no leste da França que fica ao lado da fronteira com a Alemanha. A Alsácia tem noites frescas e arejadas no verão, mesmo que os dias possam ser bastante quentes, o que ajuda a reter a acidez das uvas. Os estilos secos do Riesling da Alsácia tendem a ser colhidos no lado anterior, o que significa que ainda têm uma acidez brilhante. No copo, isso se traduz em um vinho de dar água na boca.

    No nariz, o Riesling é aromático e levemente floral. Na boca é leve, com sabores de mel, limão, maçã verde e jasmim. Graças à sua alta acidez, o Riesling da Alsácia também é um grande candidato ao envelhecimento. Em estilos envelhecidos, o vinho pode assumir um sabor de petróleo, que é graças a um composto chamado TDN que se desenvolve a partir da quebra de outras moléculas do vinho chamadas carotenóides. Não importa o estilo ou a idade que você escolher, o Riesling da Alsácia não deve ser esquecido!

    Combinações de comida

    Pad thai apimentado

    Para comida picante, não tenha medo de pegar um Riesling meio seco (ou seja, semidoce). O açúcar cobrirá sua boca para reduzir a queimadura. Além disso, os sabores cítricos e florais brilhantes do vinho são um grande contraste com o rico molho umami pad thai.

    Tigela de frango e arroz com molho de manga, abacate e coentro

    Este prato seria ótimo com um Riesling que tem apenas um pequeno toque de doçura para equilibrar a doçura do molho. A natureza aromática do Riesling o torna um bom par para acessórios aromáticos como coentro e manga.

    Marsanne / Roussanne

    A mistura Marsanne / Roussanne é típica do Vale do Ródano. Marsanne é uma uva altamente aromática, com sabores de damasco, mel e pêra. Roussanne é uma uva poderosa que dá corpo ao vinho e tem sabores de limão, brioche, damasco e camomila. Quando jovens, essas misturas apresentam caráter cítrico, melão e mineral. Mas certamente vale a pena esperar. A Marsanne / Roussanne envelhecida assume sabores de amêndoa e marmelo que adicionam profundidade e complexidade. Para um verdadeiro deleite, experimente um que tenha pelo menos 10 anos de idade. Quando em carvalho, lembra muito um Chardonnay em carvalho. Às vezes, Viognier é adicionado ao blend, o que adiciona um perfume floral.

    Combinações de comida

    Camarões salteados

    Essas combinações combinam fabulosamente com frutos do mar, especialmente frutos do mar mais ricos, como o camarão. Para um emparelhamento infalível, experimente camarão scampi com limão, salsa e alho. O peso do prato, com o seu molho amanteigado, vai combinar bem com o corpo do vinho. E as notas brilhantes de limão e minerais do vinho serão uma combinação perfeita com os sabores do prato.

    Rolinhos de Lagosta

    Os rolos de lagosta são um tratamento especial para o verão, que exige um vinho igualmente especial. Uma mistura envelhecida de Marsanne / Roussanne em carvalho não só combinaria com os rolos de lagosta em termos de peso, mas acrescentaria uma complexidade mais profunda, com nuances de milho doce e amêndoa.

    Chenin Blanc

    Chenin Blanc é uma uva cultivada no Vale do Loire, na França. Ele cria vinhos incrivelmente diversos, graças à sua adequação a muitos estilos diferentes, incluindo espumantes, semidoce, e até conhaque. No Vale do Loire, onde as temperaturas são mais amenas, o Chenin Blanc costuma ser escolhido quando tem acidez muito alta, o que o torna um bom candidato para vinho espumante. Um vinho fantástico de verão é um espumante Chenin Blanc de Vouvray. Com seus sabores de pêra, madressilva, maçã e gengibre, este vinho é ótimo para aguçar o paladar durante um aperitivo antes do jantar.

    Combinações de comida

    batatas fritas

    Quem disse que batatas fritas só combinam bem com hambúrgueres e cerveja? Como os espumantes secos de Chenin Blanc têm acidez muito alta com pequenas bolhas, eles são ótimos candidatos para alimentos salgados e fritos. Um Vouvray espumante com batatas fritas é como um fósforo feito no céu. Para torná-lo elegante, você pode fazer fatias de batata assada polvilhadas com parmesão, alho e alecrim. Sirva com molho de molho aioli de alho.

    Frango agridoce

    Um estilo mais doce de Chenin Blanc é melhor para este prato porque a doçura frutada do vinho e a alta acidez irão se equilibrar com os sabores doces e azedos contrastantes do frango. Além disso, a gordura do prato é equilibrada pelo corpo do vinho.

    Assim como o Riesling é rotulado erroneamente como doce, o Chardonnay costuma ser esquecido por ser um vinho simples e básico. O motivo pelo qual Chardonnay é tão popular em todo o mundo é que ele é altamente adequado para uma variedade de climas e solos & # 8211, mas isso não significa que todo mundo o faz bem. Se você deseja um Chardonnay de alta qualidade e decididamente "não básico", não procure mais, pois o Chablis está na Borgonha, França. Os vinhos de Chablis tendem a ser unoaked, o que dá um vinho leve e crocante com sabores de giz, flor branca, pêra e cítricos e acidez média-alta. No calor do verão, nada melhor do que se refrescar com uma taça de Chablis.

    Combinações de comida

    Salada de espinafre com nozes, gorgonzola e pera com vinagrete de mel

    Uma salada como esta pede um vinho branco leve com um perfil de sabor complementar. Um Chardonnay de Chablis se encaixa perfeitamente com seus sabores de pêra e cítricos.

    Embora Chablis não tenha litoral, ele combina surpreendentemente bem com ostras. A razão está na geografia da área. During the Jurassic period, Chablis was covered by a saltwater ocean. Today, its soils are still made up of the crushed shells and sediments from the ocean floor, which translates into a touch of salinity in the wine. There’s a piece of trivia for when you’re sipping a Chablis at your next oyster cocktail party

    Charlotte is a Master of Science candidate in Wine and Vineyard Sciences in Bordeaux, France. Her passion for wine developed thanks to a bartending gig at a little French wine bar in Washington, DC. Eventually, she quit her desk job to manage the wine bar full time. Hailing from Northern Vermont, she is fond of outdoor hockey rinks, local ski hills, and farm-to-table food and drink.

    Photo Credit: Pad Thai @unsplash the-creative-exchange French fries – @magnusjonasson @unsplash Herb-Rubbed Whitefish @AdobeStock


    The Importance of High Quality, Sustainable Shrimp

    The key to a great Shrimp Scampi is using the right, high-quality ingredients. Fresh herbs and garlic make all the difference when crafting your butter sauce, and of course, the shrimp is PARAMOUNT.

    I refuse to cook with anything but Naked Shrimp. This is, in my experience, the best shrimp product on the market. It is totally chemical-free with no preservatives, no additives, no antibiotics, no phosphates, and no added water. Just pure, natural shrimp.

    Naked Shrimp are 4-Star Best Aquaculture Practices (BAP) Certified Sustainable, which means each step of the process is carefully monitored to ensure responsible practices.

    WHY does this matter? Well – chemically-treated shrimp have water added to them. So, when you sauté shrimp in the pan, all the water will cook out of them, they will not sear properly, and you will be left with a rubbery, chemical-tasting shrimp.

    With Naked Shrimp – you are able to get beautiful caramelization from the natural sugar present in the shrimp, along with a crisp, clean texture.

    According to an article from WebMD about shrimp’s health benefits, “unless you live near the coast, shrimp at your local grocery likely aren’t fresh. They’ll be frozen or previously frozen and thawed.” Naked Shrimp are “flash frozen” using state-of-the-art technology in order to lock in the maximum flavor, texture and freshness, until the moment you’re ready to thaw and cook it.

    This adds another layer of convenience because you can thaw the night before, or even on a moment’s notice. You can also feel confident that your shrimp has been “frozen in time” from the time it is harvested until the time you are cooking it.


    The ingredients you'll need to make this recipe

    Here's a list of the ingredients you'll need to make this shrimp scampi recipe. The exact measurements are included in the recipe card below:

    Manteiga: I like to use creamy European butter, but any butter will be great.

    Minced garlic: Mince it yourself or use the stuff that comes in a jar. Both work.

    Red pepper flakes: They don't make the dish spicy - they merely add a layer of flavor.

    Large shrimp: Peeled and deveined. I like to use tail-on shrimp simply for aesthetic reasons. If possible, try to use sustainable shrimp. 🦐

    White wine: You can make the dish with or without it. I do feel it enhances the flavor of the sauce.

    Kosher salt and black pepper: If using fine salt, you should reduce the amount you use, or the dish could end up too salty.

    Fresh lemon juice: Do use freshly-squeezed juice. It makes a difference.

    Chopped parsley: Adds not just a splash of color but also another layer of fresh flavor.


    Wine Pairing Advice: What to Drink With Italian-American Classics

    The Italian-American dishes we've been sharing all week—red sauce (quick or long-cooked), tender meatballs, crisp-crusted chicken parm, creamy Fettuccine Alfredo, gooey baked ziti, and garlicky shrimp scampi—are pretty darn delicious. But there's one more key to the dinner puzzle: the bottle of wine you choose to serve alongside the feast.

    We didn't want to leave your glasses empty, so we turned to a few of our sommelier friends (who happen to work at restaurants like Franny's in Brooklyn and Babbo and Ai Fiori in Manhattan.) Here are their wine pairing tips for your next Italian-American dinner party.

    Spaghetti and Meatballs

    "Dry, juicy Italian reds were what early Italian immigrants once drank with their meatballs and spaghetti. This is Italian jug wine, the kind you get for 3 or 4 Euros (per box, not bottle) at the market in Italy. If it's a little cheap and coarse, that's okay spaghetti became an American staple during the Great Depression. Montepulciano d'Abruzzo, Chianti, e Nero d'Avola are my favorites. Piccini and Cecchi make delicious, widely available Chiantis for about 10 bucks a bottle."—Jackson Rohrbaugh (Canlis)

    "I think it's totally criminal to drink anything other than Italian wine with Italian food. They vibe together so well, not just flavor-wise, but also aesthetically. If you drink otherwise, you're kind of blowing the romance. For spaghetti and meatballs (or really most dishes with tomato), it's generally better to look more to the Italian south than the north, like maybe Tuscany and below. And it's a good idea to go with something country but hearty, like a Sangiovese-based Rosso from Umbria (Cantine Adanti makes a great one from Montefalco that is beefed up with the Sagrantino grape), or maybe something from the lesser-known appellation of Biferno, in Molise, whose wines are made from Montepulciano and rustic Aglianico." —Steven Grubbs (Empire State South, Five & Ten)

    "Chianti Classico. Don't go rich and full-bodied: choose one with a more elegant style that will allow the acidity of the tomatoes to shine. Try Montenidoli Chianti Colli Senesi Il Garrulo or Castello di Cacchiano Chianti Classico." —Francine Stephens (Marco's, Franny's)

    "I tend to choose wines from Tuscany any time there's a light red sauce present. A favorite of mine at the moment is Montevertine Pian Delciampola. I also like wines from Southern Italy for this dish—anything that has bright acidity and some of those stewed tomato qualities—think Aglianico ou Sagrantino."—Laura Maniec MS (Corkbuzz Chelsea Market)

    "Tomato is a red fruit, so I am always looking for wines with red fruit flavors to complement tomato sauces. Sangiovese is probably the most classic pairing, but Barbera or a simpler Nebbiolo would be great as well. In Chianti there's been a surge of quality wine in the last few decades. One of my favorite Chianti producers is Caparsa—old school with gorgeous cranberry and cherry flavors and firm tannins to go with the fattiness of the meatballs. If you want to go a bit off the beaten path, look for AR.PE.PE's Rosso di Valtellina—delicate, perfumed Nebbiolo from the far north of Italy."—Raphael Ginsburg (Costata,Ai Fiori)

    Shrimp Scampi

    "This dish calls for a fresh and savory wine—something to cut through the richness of the butter and olive oil but that can also handle the strength of the garlic and match the sweetness of the shrimp. I like to go to Southern Italy with a Fiano di Avellino from Mastroberardino or Feudi di San Gregorio. Wines with texture, spicy and fennel notes that would match the dish perfectly. If going to California, Matthiasson's white blend consists of Sauvignon Blanc, Ribolla Gialla, Semillon, and Tocai Friulano fruit, generosity, and complexity."—Michaël Engelmann MS (The Modern)

    "Salty, crisp white wines are the key here—with all that fresh, briny shrimp just swimming around in your sauce, you want something clean, rather than an overblown wine that will compete with what is on the plate. The classic option is Vermentino from Liguria—Terre Bianche makes a great one. For something new and different, try the same grape from a New World producer: the Ryme 'Hers' Vermentino is beautifully transparent, and driven by salty, sea spray minerality.—Mia Van de Water (North End Grill)

    "To me, pink foods [like shrimp] seem to go really well with pink wines. I might just like the color pink all over my table, but I'd go with a still Rosa aqui. Something super mineral and screaming with acid so your palate gets swooshed clean after a big bite of garlic and butter. Right now, I'm obsessed with the Domaine Regina Gris de Toul rosé from the Lorraine region in France (way north, sandwiched sort of in between Champagne and Alsace). It's made from mostly Gamay (which surprised me, since Gamay is more commonly known as the grape in Beaujolais, way further south) in this super pale, super bright, and sharp style. Thinking about it makes me crave shrimp scampi. Yum." —Stevie Stacionis (Bay Grape)

    "All that garlic and butter. bring on a dry, lively and crisp white wine! You'll want to lift the dish with the wine—brighten it up—and a white wine from Northern Italy is just the thing. Try a grape called Pigato which is indigenous to Liguria. Its briny lemon, herbs and bright acidity are fabulous with seafood. Colle dei Bardellini is a wonderful producer of Pigato and I LOVE Cascina Feipu Dei Massaretti too."—Susan Brink O'Flaherty (Dominick's, Little Dom's)

    "Garlic can detract from a lot of wines but the combination of white wine and butter allows wines such as Austrian Grüner Veltliner to shine. The wines of Peter Veyder Malberg are clean, dry and powerful. Also Schloss Gobelsburg makes a wonderful value Grüner Veltliner called Gobelsburger that would complement scampi perfectly. The refreshing crisp texture of Sauvignon Blanc from the region of Sancerre would be a lovely combination as well. Alphonse Mellot and Edmund Vatan are some of the top producers in the region." —Michael Scaffidi (Union Square Cafe)

    "Stick to white wine here, and with the garlic, butter and olive oil, it has to be big. Something too lean would be lost. I'd go with a Sicilian white in this case, as shrimp dishes are abundant in this region and the white grapes, Grillo, Cataratto and Carricante are a perfect match. Look for Tami Grillo or Graci Etna Bianco." —Francine Stephens (Marco's, Franny's)

    "I really like Albarino from Rias Baixas, Spain. This coastal region on the Atlantic is known for their pristine seafood, including gambas. I like the salty brine from the Albarino with the garlic and white wine. Try Granbazan Albarino, it's a classic." —Laura Maniec MS (Corkbuzz Chelsea Market)

    "I love the coastal whites of Campania with shrimp scampi. Wines like Fiano, Greco and blends of indigenous varieties from the Amalfi, specifically. The wines generally express subtle tropical fruit and are always balanced by a touch of salinity and minerality that works so well with this dish. A few of my favorites: 2012 San Salvatore Paestum Greco 'Calpazio'. San Salvatore is a biodynamic winery located within a national park in the seaside town of Paestum. 2012 Luigi Maffini Fiano 'Kratos': also from Paestum, Maffini's Fiano has an underlying smokiness that works well with shellfish. 2012 Marisa Cuomo Furore: Marisa Cuomo's winery is in the beautiful town of Ravello on the Amalfi Coast. This is a fresh, stainless steel-only blend of Falanghina and Biancolella." —Francesco Grosso (Marea)

    "I like that lightly spicy style of Pinot Grigio that we find up in the Collio zone of Friuli, in Italy's northeast. They typically have just enough weight to match the richness of the butter component, but that savory/woodsy spice note helps deal with the protein in the shrimp. Marco Felluga's 'Mongris' is awesome, and so is the finer, pricier stuff made by Collio great Schiopetto." —Steven Grubbs (Empire State South, Five & Ten)

    "With most shellfish and crustacean preparations, I look for wines from coastal areas like Liguria. Great, affordable whites that are crisp and herbal. The vineyards for white grapes in Liguria are close to the sea, and although I can't prove this influences the profile of the wines, these wines are distinctly marked with a briny characteristic that works well with the sweet and briny flavors found in shrimp. Try Poggio dei Gorleri 'Cycnus' Pigato. It's mineral and herbaceous, with a salty kick. Or pour Cantina Lunae 'Etichetta Grigia' Vermentino. A touch more fruit in the wine, but still displaying the essence of the sea."—Thomas Kim (Babbo)

    Chicken Parm

    "Look to the red, bubbly classic from Emilia-Romagna: Lambrusco. I would choose one that's on the drier, less fruity side and with just enough tannin to play into the cheese, but not kill the sauce. Among my favorites is the 'Suoli Cataldi' Lambrusco Reggiano from Podere Giardino. Podere Giardino is an organic farm that provides raw milk to the area's Parmigiano producers. Their wine, by design, are greataccompaniments for Italian comfort food and has that classic hint of balsamico and dried berries."—Krista Voisin (Otto)

    "I have to go with sparkling wine as a personal standby when you've got anything fried, since the bubbles and bright acidity slice right through the crispiness and oil. This is a no-holds-barred dish, so I like a no-holds-barred wine, too: rosé Champagne. Chartogne-Taillet's Brut Rosé Champagne will instantly elevate this meal to baller status." —Stevie Stacionis (Bay Grape)

    "Chicken is a lighter meat but since it is breaded here, it is richer. The tomato sauce adds sweetness, acidity and intensity to the dish. I like to play with a Barbera, a lighter red that stands up to the acidity and richness of the dish. Look out for producers like Cavallotto or Vajra. If you are looking for something from California, Palmina makes a great Barbera in Santa Barbara County, a true honest expression of this lovely grape."—Michaël Engelmann MS (The Modern)

    "I would want to go further south here to a few appellations making reds that are surprisingly light on their feet but can still handle tomato (an ingredient that gives many wines fits). Reds from Mount Etna in Sicily spring to mind (like the entry-level Etna Rosso by terrific high-altitude producer Terre Nere), as do the wines from Vittoria on the eastern side of the island (classic producer COS and the 100% Frappato by Centonze are both great options)." —Steven Grubbs (Empire State South, Five & Ten)

    "There are two directions you could go here either a full-bodied white, which will match the chicken but stand up to the tomato sauce, or a light bodied red, again, I wouldn't go too full bodied or serious with the chicken. For the white: choose Verdicchio from the Marche, perhaps the most age worthy of Italian grapes—the Bucci Verdicchio Classico is the perfect example. For a red, try a fun Dolcetto ou Barbera from Piedmont—both will be perfect!" —Francine Stephens (Marco's, Franny's)

    "Most people think that you must pair chicken with white wine. Not the case here, although an Italian white like a Soave made with the garganega grape would be lovely. I would recommend a medium bodied red. Sangiovese works beautifully, but why not try a fun wine from near Venice! I love the Corsa Sella Ronda Teroldego. Pronounced terr-all-di-goh, the wine has notes of violets, crushed berries, red plum, earth and a little spice. This wine will add another dimension without taking away from the awesomeness that chicken parm has just on its own! If you live in a small town and don't have access to boutique wine shops that carry a wine like this, try a medium bodied or light red like pinot noir."—Susan Brink O'Flaherty (Dominick's, Little Dom's)

    "You can go one of two ways with chicken parm. You can stick with classic Italian wines like Brunello Di Montalcino—the tannin in the wine will cut through the fat and the cheese, while still keeping with the complementary flavors of the tomato. As an alternative, for a more 'out there' paring, you might consider trying rosé Champagne. Since the chicken is fried, you want something with bubbles to cut it—and you need a rich Champagne for tomato and cheese. A producer to try is Paul Bara their rosé is delicious." —Laura Maniec MS (Corkbuzz Chelsea Market)

    Fettuccine Alfredo

    "One of the major keys to successful food and wine pairing is the matching of weight and texture—you don't want the dish to overwhelm the wine, or vice versa! Once cream sauce is on the table, it needs to figure first in your considerations you want a wine with equal richness and creaminess of texture (but balanced, of course!). Try a Chardonnay from the central coast of California—Sandhi's Santa Barbara bottling is terrific."—Mia Van de Water (North End Grill)

    "Man, I love this dish. It became my comfort-food standby in college, right around the time I (and the rest of America) was obsessed with Pinot Grigio. I have to say, the pairing still works like a charm and still makes me feel really safe, comfy, and happy. I think the reason it works together is because neither of them are super bold but rather soft, easy, and subtly flavored. There's a really pretty peach and melon component to a good Pinot Grigio, along with this slightly bitter almond note that works beautifully with the sweet creaminess of the pasta—especially if you put just a dash of nutmeg in your sauce like I do. Right now, the Scarpetta Pinot Grigio is my favorite. It's made by Master Sommelier Bobby Stuckey and his chef Lachlan Mackinnon-Patterson from Frasca Food & Wine in Boulder. It has more complexity and prettiness than a lot of Pinot Grigios, and is so versatile with food." —Stevie Stacionis (Bay Grape)

    "I look for a white wine with a gentle richness to match the rich creamy sauce. A Chardonnay that is not too oaky would be great a Macon from Dominique Cornin or from Copain in Mendocino would match is very well. A chardonnay from the Jura, from Bornard or Tournelle would go well with the creamy, cheesy richness of the dish."—Michaël Engelmann MS (The Modern)

    "Believe it or not, I think with rich sauces such as Alfredo, you need a big red with a lot of tannin. I know it doesn't seem right because of the lack of protein in the dish, but the richness of the sauce really cuts through the tannin in the dish. Northern Rhone Syrah from regions like Cote Rotie or Crozes Hermitage have a lot of savory pepper notes and richness to match the dish, but also cut through the fat." —Laura Maniec MS (Corkbuzz Chelsea Market)

    "A light to medium bodied red would be great with the creaminess and richness of this dish. A Rosso di Montalcino from Tuscany or a Lagrein from the Alto Adige would be amazing!" —Francine Stephens (Marco's, Franny's)

    "This creamy dish a crisp sparkling wine is a great match. Prosecco comes to mind. Look for Ruggeri Prosecco, it's delicious."—Dennis Perry (Peninsula Grill)

    "The dish I grew fat on as a kid! I'd highlight the creamy nature of the dish and balance it with acidity (the key to all Italian whites). Going north to Alto Adige will ensure the wine has acidity and Terlano produces wines that are both rich and acidic. I amar the Terlano 'Nova Domus' Sauvignon Blanc—the wine is rich without being over the top."—Jeffrey Porter (Del Posto)

    "Decadent, rich, silky cream is a great excuse to break out some bubbles. The Il Mosnel Franciacorta Rosé is a brut sparkler that rises to the occasion. Made from mostly pinot nero and barrel-fermented chardonnay, you get hints of crisp strawberry, brioche, white pepper."—Krista Voisin (Otto)

    "One option: Chardonnay from northern Italy. This would cut through the heaviness and richness of the cream sauce really nicely while complimenting the buttery creaminess at the same time. I love the producer Elio Grasso from the Langhe region of Piedmont, Italy (remember the Olympics at Torino? Same neck of the woods.) Otherwise, try an Italian red with serious tannin. If you can break the bank, try a Barolo or Barbaresco, which are styles of wine made from the Nebbiolo grape, named for the famous sub regions they come from in Piedmont. You can find a less expensive nebbiolo that is from outside of these sub regions and it would be easier on the wallet without compromising your palate. A hint with the grape nebbiolo: it needs to open up! If you are faced with a newer vintage, break out the decanter (or any pitcher you have on hand) and let some oxygen in."—Susan Brink O'Flaherty (Dominick's, Little Dom's)

    "With Fettuccine Alfredo my favorite pairing is a white Burgundy, specifically, a Puligny Montrachet. Puligny-Montrachet is simply a wine made from Chardonnay that comes from the town of Puligny within Burgundy, France. When I ponder a pairing, I consider the major flavors and textures: in this case the creamy sauce will be the dominant characteristic. I find that White Burgundy works with these style of dish because its minerality and acidity will shine and cut some of the creaminess of the sauce allowing the palate to be refreshed after each sip (it's like eating a bit of ginger between bites of sushi). Chardonnay, traditionally, also goes through a proccess of malolactic fermentation. This is a process that changes the acid in the grapes from harsh malo acid to creamy lactic acid. The wonderful lactic acid will compliment the creamy texture of the alfredo sauce. A few of my favorite producers in the region are Roulot, Leflaive, and Pierre Yves Colin Morey." —Colin Thoreen (Ai Fiori)

    Ziti Assado

    "With a simple classic like baked ziti, you shouldn't overthink pairings. In northern Italy, just south of Switzerland, the Nebbiolo-based wines from Valtellina are made for richer dishes. With bright acidity, they clean the palate after each bite, match the sweet soaring acidity of the tomatoes, and cut through the heavier cheese elements of the dish. Producers such as Sandro Fay, Arpepe and Nino Negri make some excellent and affordable Valtellinas." —Victoria James (Marea)

    "Oven-roasting boosts the sweetness in this dish, and endears it to a ripe red wine. An elegant, dark-fruited red from Valpolicella can boost the sweetness of the onion and tomato in this dish. Allegrini Amarone della Valpolicella or Giuseppe Quintarelli's Primofiore blend would be great, and the robust ripeness of Perrin et Fils 'Les Christins' Vacqueyras would be great for a non-Italian pairing."—Jackson Rohrbaugh (Canlis)

    "My gut pairing is to go straight to Sicily with this. This American-Ital classic leans on the concentrated sweetness of the tomato sauce and the fattiness of the cheeses. I would want a wine that shows ample fruit—on the red-fruit side of the spectrum (think strawberries, raspberries, tart cherries), some with some earthiness and no new oak. COS and Gulfi both make a Cerasuolo di Vittoria (a blend of Nero d'Avola and Frappato) that would rock with this dish."—Jeffrey Porter (Del Posto)

    "A pinot noir from California would be wonderful: seek out Tyler, Hirsch, or Failla."—Michaël Engelmann MS (The Modern)

    "Keep it classic with some Sangiovese-based wines. Tomato and Sangiovese are natural pals—the grape tends to make wines that even smell a little like tomato paste or tomato leaves—and their natural acidity helps deal with the potent acid of the tomato. Wines from one of the Chianti zones (Villa di Zano makes a terrific, open style of Chianti Classico) or something from one of the other Tuscan zones, like a Rosso di Montalcino (Vitanza's is terrific), should make a nice match." —Steven Grubbs (Empire State South, Five & Ten)

    "To mix things up a little bit, try a Rioja from Spain. Make sure to stick with the lighter styles of Rioja: look for Crianza on the label. You could also go with Italian reds from Tuscany. Choose something that's light enough in body, but has some acidity and tannin." —Laura Maniec MS (Corkbuzz Chelsea Market)


    Wine and food pairings 6: Louisiana-style shrimp boil

    My adventures in south Louisiana as a young newspaperman taught me more about the world than I will ever be able to explain. Like a shrimp boil.

    I’m 23 years old and the only thing I know about shrimp is that they’re served only on special occasions, maybe once a year. And that they’re boiled in salted water, and if they taste rubbery and bland, that’s OK, because they’re served only on special occasions. And then another reporter took me to Gino’s in Houma, La.

    It was a revelation. This was food, and not Mrs. Paul’s fish sticks. This was not something for a special occasion, but something people ate regularly. It opened my mind to the idea of food that wasn’t what I grew up with, and that opened my mind to the idea of other cultures, and that made it possible to open my mind to wine. And I’m not the only one who experienced this kind of revelation: The same thing happened to Julia Child when she went to a boil at Emeril Lagasse’s house.

    There are really only two rules for a shrimp boil. Everything else is a suggestion, and any recipe is just a guideline. First, use shrimp from the Gulf of Mexico and avoid imported shrimp at all costs. The latter have as much flavor as Mrs. Paul’s fish sticks. Second, use the boxed pouch seasoning called crab boil from Zatarain’s or Louisiana Fish Fry. And make sure the boxes are nowhere near their expiration date otherwise, all their flavor is gone. Both companies make other styles of seasoning, but this is the easiest to use. And the less said about Old Bay (which is mostly celery salt), the better.

    Click here to download or print a PDF of the recipe. No red wine with a shrimp boil — there’s no way to get the flavors right:

    • St. Hilaire Crémant de Limoux Brut NV ($13, purchased, 12%): This French sparkling wine from the Languedoc, mostly chardonnay but also chenin blanc and mauzac, is crisp and bubbly, with pear and apple fruit. Exactly what the shrimp needs. Highly recommended. Imported by Esprit du Vin

    • Celler de Capçanes Mas Donís Rosato 2018 ($11, purchased, 13%): This Spanish pink is a little soften than I expected, but that’s because it’s made with garnacha. But it’s still well worth drinking — fresh, ripe red fruit (cherry?), and an almost stony finish. Imported by European Cellars

    • Hay Maker Sauvignon Blanc 2018 ($10, sample, 12.5%): The marketing on this Big Wine brand from New Zealand is more than a little goofy –“hand crafted goodness,” whatever that means. But the wine itself is spot on — New Zealand citrus, but not overdone a little something else in the middle to soften the citrus and a clean and refreshing finish. Imported by Accolade Wines North America


    Assista o vídeo: Szybki sposób na krewetki. Best shrimp recipe Oddaszfartucha (Outubro 2021).